Amigo Nerd.net

Como Trabalhar o Basquete na Escola

Autor:
Instituição: FACULDADE DE AMERICANA
Tema: Processo Pedagógico

COMO TRABALHAR O BASQUETE NA ESCOLA


Introdução

Nos buscamos montar nosso trabalho com base em experiências de alguns profissionais,livros didáticos ,propostas pedagógicas.

Podemos perceber que na escola devemos trabalhar a iniciação do esporte da forma mais simples possível,para que não ocorra problemas com desinteresse dos alunos;Pois nem todos tem habilidades para todos os esportes,por isso,através da nossas pesquisas e dos materiais utilizados,vimos que ate mesmo os professores que foram formados com a visão tecnicista hoje estão mudando a sua forma de trabalhar,tendo o interesse de aprender a dar jogos cooperativos e também de ter uma seqüência pedagógica,iniciando-se da forma mais simples e aos poucos ir dificultando;Ate mesmo pois a aula de Educação Física não visa a criação de novos atletas e sim a aprendizagem do aluno, de como lidar com seu físico e de como se divertir,a educação estaria "apresentando" o esporte para os alunos.

Alem dos jogos cooperativos,outra maneira de ensinar o esporte que esta sendo muito utilizada é a dos jogos pré desportivos (adaptados);que busca através de brincadeiras estimular os alunos a participarem das aulas e a conhecerem novos esportes.

Também podemos ter a experiência de que muitas vezes falta muito estimulo, aos alunos mais interessados que ate pretendem iniciar um treinamento,as prefeituras montam campeonatos escolares que para crianças de 5º serie,é uma coisa muito puxada e ate mesmo traumatizante,dependendo da forma; os profissionais entrevistados nos passaram que se as prefeituras e o estado ao invés de iniciar um campeonato serio para alunos de idade de 5ºserie deveria no lugar estar fazendo festivais, para ai sim estar estimulando essas crianças a pratica do esporte e deixar o campeonato serio a partir da 6º serie pois já haverá uma aprendizagem maior dos alunos sobre o esporte. E ate mesmo os alunos dispostos a estar na turma de treinamento já conheceram o esporte e suas "regras".

Abaixo segue a proposta de como trabalhar nas escolas.


O ensino dos esportes na escola: uma proposta didático-pedagógica

Hoje em dia o esporte constitui-se em algumas escolas uma cópia exata do esporte de rendimento, contribuindo para a seletividade no processo pedagógico e, conseqüentemente, fomentando vivência de sucesso para uma minoria e o fracasso ou vivência do insucesso para a grande maioria.

O que se observa nos dias atuais é a realização daqueles famosos "peneirões", que durante as aulas de Educação Física alguns professores ou até mesmo alunos selecionam aqueles que acham mais capacitados para o jogo.

As escolas, por sua vez, defendem a prática do esporte afirmando que a mesma contribui para a socialização dos alunos, assim como também, promove a saúde e auxilia na formação geral dos mesmos.

A partir deste ponto pode-se surgir alguns questionamentos:

1-) Como se sente aquele aluno que passa por todos os esportes e simplesmente é excluído em todos?

2-) Como o esporte contribui para a formação geral de um aluno se na divisão das equipes para um jogo ele é excluído ou durante a competição ele é xingado pelos seus colegas e em alguns casos pelos professores, em virtude dele ter falhado e permitido que o time adversário vencesse?

Não será necessário respondê-las, pois, a resposta está no rosto de tristeza daquele aluno excluído.

Inicialmente gostaríamos de dizer que todas as medidas por nós propostas obedecem a um princípio fundamental: O da Não Exclusão.

Cabem a nós futuros professores criarmos e transformarmos didático-pedagogicamente o esporte de modo a adaptá-lo para que todos os alunos possam realizá-lo independentes de suas condições físicas e técnicas.

Uma medida a ser tomada seria transformar a atividade buscando-se compensar as insuficiências técnicas e físicas dos alunos que não apresentam grande rendimento, proporcionando assim a participação de todos.

Exemplo: existem os alunos baixos e fracos que geralmente não possuem força e impulsão suficientes para arremessar uma bola pesada em direção a uma cesta de diâmetro quase igual ao da bola e que a altura é consideravelmente elevada. Porém, nem por isso precisam ser excluídos da aula. Teremos que transformarmos a atividade de um modo que todos possam participar. Neste caso específico o professor deverá modificar o contexto ambiental da modalidade. Fazendo adaptações no jogo, como: usando cestas de lixo no lugar das cestas profissionais, diminuindo a altura da cesta, etc...


Como trabalhar o Basquete na Escola.

Para que se possa trabalhar o basquetebol na escola, deve-se ter a visão do ensino e da aprendizagem, para que se possa ser passado para os alunos.

Ensino: ensino vem do latim (ensignare) que quer dizer "dar preleções sobre o que os outros ignoram ou sabem mal". O ensino porem em didática, e a ação de prover circunstanciam para que o educando aprenda; podendo ser de forma direta ou de forma indireta.

A forma direta de aprendizado é a forma que o professor iniciara o esporte para seus alunos, sem que seja feita nenhuma pesquisa por parte dos alunos.

A forma indireta o professor pedira que seus alunos fizessem pesquisa sobre este esporte e também pode estar passando jogos em vídeos para os alunos .

A aprendizagem resulta do empenho que o educando em uma situação espontânea ou prevista. Quanto à maneira de aprender, nota-se que não há uma única forma de proceder, pois ela pode variar, segundo os objetivos almejados e a tarefa a ser aprendida.Dai o ensino não pode se fechar apenas em uma teoria de aprendizagem, mas sim aproveitando todas elas, segundo a fase evolutiva de educando, o fenômeno a aprender e os objetivos a serem alcançados.


Métodos de ensino do basquete.

Em basquetebol geralmente deve ser adotados dois métodos distintos, dependendo do grau de dificuldade exigido pelo fundamento.

Método global: consiste em aprender o conteúdo de uma matéria no seu contexto total. Ao ensinar os fundamentos do basquete estaremos na maioria dos casos, adotando o método global; Como por exemplo, podemos citar, o manejo de corpo, manejo de bola, os dribles alto e baixo e os passes.

Método do todo –parte – todo; este método consiste na realização do fundamento na sua forma global,sem que sejam realizadas correções técnicas , para logo a seguir subdividir esse fundamento em algumas partes que deverão ser trabalhadas em um a seqüência de evolução da mais simples para a mais complexa, para que então se chegar ao fundamento total novamente, muito possivelmente com uma qualidade bem melhor de execução. Este método normalmente é utilizado quando a tarefa motora a ser executada oferece uma complexidade maior, ou seja, é necessária a realização de vários movimentos em um mesmo fundamento.

No basquete normalmente se usa este método para o ensinamento dos seguintes fundamentos: dribles com mudança de direção, arremessos simples, jump, bandeja e rebote.


Modelo de divisão de uma aula:

Parte inicial ou Aquecimento:

Parte inicial ou aquecimento; como aquecimento, podemos entender um conjunto de atividades de diferentes formas que, mediante um volume e uma intensidade de trabalhos adequados, visam preparar o aluno para o desempenho de performances maiores.

Objetivos do aquecimento: aumentar a temperatura muscular e a irrigação sanguínea localizada; aumentar a condução do oxigênio para os músculos, tornando-os mais elásticos; preparar o sistema nervoso para a sobrecarga de exercícios que será aplicada e diminuir e /ou evitar possibilidades de lesões musculares.

O aquecimento geralmente é realizado de forma ativa, podendo ser utilizado os seguintes meios de execução; caminhadas corridas leves em diversos sentidos e de varias formas e exercícios generalizados e /ou localizados.

Parte principal: terá os seguintes aspectos:

Desenvolvimento dos aspectos orgânicos, motores, cognitivos e afetivos dos alunos.

Ensino e pratica dos elementos fundamentais do basquete (parte técnica e parte tática do jogo)

A composição desta aula será feita através de:

Parte final: à parte: será destinada para a volta a calma do aluno, tanto fisiologicamente e psiquicamente, e para eliminar a excitação causada pelas possíveis disputas.

É geralmente utilizada para a execução de jogos calmantes ou atividades de relaxamento.


Jogos pré-desportivos

Forma recreativa de se chegar ao jogo propriamente dito.

Características gerais.

Os jogos pré-desportivos possuem uma serie de características que os tornam fundamentais principalmente na fase de iniciação desportiva, pois eles propiciam uma serie de vantagens aos seus praticantes, tais como:

Objetivos principais

Ao utilizar os jogos pré-desportivos nas aulas, estaremos de forma lúdica, contemplando vários objetivos como:

Objetivo da Aula:


Exemplos de jogos pré-desportivos

Cesta humana:

Numero de jogadores: de cinco a quinze em cada equipe

Material utilizado: uma bola

Execução: um aluno de cada equipe ficara em cima de uma cadeira, dentro do garrafão adversário.Os alunos poderão driblar e passar entre si, e marcarão pontos se conseguirem lançar a bola á cesta humana.

O garrafão não poderá ser invadido pelos jogadores de linha.

Basquete de números:

Numero de jogadores: de cinco a quinze por equipe.

Material utilizado: duas bolas

Formação: cada equipe ficara posicionada na linha lateral da quadra, possuindo cada aluno de ambas equipes um numero pré-determinado.As bolas ficarão no centro da quadra.

Execução: o professor dirá um numero e o aluno de cada equipe que possuir este numero terá que se deslocar, rapidamente, ate uma das bolas, pegá-la, dribla e tentar fazer uma cesta.Vence a equipe que fizer mais cesta no tempo estabelecido.

Variação: colocar apenas uma bola.Quem pegar a bola ataca e o outro tenta evitar a cesta.

Brincadeira do arremesso: Dividem-se os alunos em dois grupos que formarão, duas colunas no fundo da quadra.

Objetivo: um integrante de cada equipe devera sair do fundo da quadra e ir driblando ate o outro garrafão, tendo como objetivo fazer o arremesso.

Para exercitar a cooperatividade e integração será trabalhada a pontuação diferenciada.Cesta convertida da área dos três 3 pontos

Arremesso dentro da área dos dois pontos e garrafão = 2 pontos

Acertar o aro ou a tabela = 1 ponto

O jogador que fizer o arremesso devera pegar o rebote e voltar driblando até a linha dos três e passar para o próximo companheiro.

Jogo Cooperativo: Quanto à cooperação, diferentemente da competição, todos poderão se divertir e compartilhar o sentimento de vitória e que ninguém precisa ser excluído. Todos JUNTOS enfrentarão os desafios e as dificuldades. Tendo em Mente, no coração, o valor da Cooperação, o JOGO será o BASQUETE AMIGÃO.

Divide-se a classe em equipes, cada uma com cerca de 5 a 6 alunos. Para estimular novos agrupamentos, evitando "panelas" e eliminando o desconforto daquele que é sempre o último a ser escolhido, separar as equipes usando critérios como: pelo alfabeto, separando todos que tem a inicial do nome igual; pelo número de chamada; etc...

Também pedir que cada equipe elabore e apresente um GRITO DE PAZ, antes de iniciar o jogo.

Após as apresentações as equipes jogarão o Basquete Amigão.

Adaptado do basquete tradicional, este é um jogo de arremessos, cujo objetivo também é a pontuação por meio de cestas. A estrutura é semicooperativa, ou seja, há equipes, mas as regras do jogo promovem o fortalecimento da cooperação intragrupal (dentro do time). Pode ser jogado com bola de iniciação esportiva e com mini-tabelas de basquete ou, na ausência destas, com baldes apoiados em cadeiras.

O jogo pode Ter maior ou menor complexidade de acordo com as características do grupo (por exemplo, o contato físico pode ou não ser permitido, a bola pode ser quicada ou não...). O importante é fortalecer a cooperação intragrupal, adotando-se ema ou mais regras a critério do professor e do grupo de alunos:

Todos passam: a bola deve ser passada por todos do time antes de poder ser arremessada à cesta.

Passe misto: a bola deve ser passada alternadamente entre meninos e meninas.

Resultado misto: as cestas são convertidas, ora por uma menina, ora por um menino.

Pontuação: para valorizar a participação de todos, independente do grau de habilidade, pode-se considerar pontos para os arremessos que tocam o aro ou a tabela (ex: cesta = 2 pontos, aro = 1 ponto, tabela = 0,5 ponto).

Todos fazem cesta: para que o time vença é preciso que todos tenham feito pelo menos uma cesta ou marcado algum ponto de acordo com a regra anterior.


Parte final da aula.

Em uma aula de basquete, aparte final, comumente chamado de volta à calma, via de regra, servira para acalmar psíquica e fisiologicamente os alunos e também para eliminar a excitação causada pelas possíveis disputas.

Benefícios adquiridos com a pratica do basquete.

Nível motor:

Nível cognitivo:

Nível afetivo:


Qualidades necessárias a um bom professor

Considerando que para haver um excelente processo de ensino/aprendizagem, é necessário que o profissional que esteja atuando diretamente com esses alunos possua algumas qualidades.


Entrevista feita com profissionais da área.

Entrevista feita com a professora Lucia, da escola estadual Jose Gabriel de Oliveira

Como você trabalha o basquete?

R: bimestral e quando os alunos pedem para jogar.

Você passa o basquete de forma lúdica ou como esporte de competição?

R: trabalho de maneira lúdica

Você explica o basquete de maneira mais simplificada ou já inicia nas regras.

R: basquete adaptado,d e 5º e 6º serie e a partir da 7º serie inicia-se as regras; usando um projeto de cooperação e de ensinamento mais orientado.

Como se trabalhar o basquete em diferentes idades?

R: de maneira coletiva e lúdica

Como se trabalha com os alunos menos interessados?

R: trabalhando jogos adaptados, onde os alunos que estão de fora verão que é um esporte legal e começaram a participar.

Para você qual o motivo do aluno no desinteresse neste esporte?

R: muitas vezes o desinteresse do aluno, vem de motivos externos de fora da escola, devido a experiências negativas.

Para você o que falta para que este esporte seja mais valorizado?

R: precisa ser feito um trabalho de base apoiado pelas prefeituras e também uma abertura maior na mídia.

O que falta para que o basquete seja mais bem trabalhado nas escolas?

R: um trabalho de base, e recursos materiais.

Como é feita a seleção dos alunos para um campeonato escolar?

R: infelizmente é sempre colocado o melhor, e não os mais interessados.


Professor: Jose Caetano.

Respostas:

Este professor trabalha o basquete da mesma forma da professora anterior.

Trabalha com o basquete competição com as crianças que se propõem ao treinamento

Este trabalha o treinamento por etapas, introduzindo as regras e fundamentos conforme o aprendizado dos alunos.

Para ele ainda falta muito incentivo do governo, para a melhoria das escolas, pois muitas vezes o ambiente da aula de educação física acaba desmotivando o aluno.Mas nem sempre isso é fator principal, muitas vezes o desinteresse do aluno já é notado pela sua vestimenta.


Bibliografia:

Livro: Basquetebol na escola

Autor: Nilton Ferreira Coutinho

Editora: Sprint

Sites Pesquisados:

http://novaescola.abril.com.br

www.jogoscooperativos.com.br

Entrevistas:

Escola Estadual de Primeiro Grau Professor José Gabriel de Oliveira

Professores:

Lucia

José Caetano

Professores formados a um bom tempo, com uma vasta experiência.

O professor ex-atleta de basquete e trabalha com turmas de treinamento.

Comentários


Páginas relacionadas