Aplicação de Medicação Via Intra Muscular

Autor:
Instituição: UCS
Tema: Medicação Via Intramuscular

Aplicação de Medicação Via Intra Muscular


Injeção Intramuscular

É a introdução de no máximo 5 ml de medicamento dentro do corpo muscular. Apesar de muitos serem os músculos do corpo, poucos são os que prestam a estes objetivos, para selecioná-los devemos considerar:

  • Distância em relação a vasos e nervos importantes;
  • Musculatura desenvolvida para absorver o medicamento;
  • Espessura do tecido adiposo;
  • Idade do paciente;
  • Irritabilidade do paciente;
  • Atividade do paciente;
  • Evitar tecido cicatricial ou endurecido.

Esta via é especialmente indicada:

  • Para a administração de substâncias irritantes (aplicadas sempre profundamente no músculo);
  • Introdução de substâncias de difícil absorção, como metais pesados, medicamentos oleosos e demais substâncias consideradas consistentes;
  • Aplicação de maior volume de soluções (volume igual ou inferior a 5ml);
  • Administração de substâncias que precisam ser absorvidas mais rapidamente que pelas vias intradérmicas e subcutânea.

Locais para administração de injeção intramuscular:

  • Região deltóidea (músculo deltóide).
  • Região dorsoglútea(músculo glúteo máximo).
  • Região ventroglútea(músculo glúteo,médio e mínimo).
  • Região face ântero-lateral da coxa(músculo vasto lateral).

Para selecionar uma ou outra região devem-se levar em consideração suas vantagens e desvantagens, conhecer anatomicamente as regiões para localizar corretamente o local da inserção, as contra-indicações e possíveis complicações.

O local da injeção determinará a posição do paciente durante a aplicação, não devendo ser realizado com a pessoa de pé, pois esta pode desmaiar ou sentir tonturas, criando um risco para sua segurança.


1- Região deltóidea(D):

O volume máximo a ser introduzido é de 3ml com a angulação da agulha perpendicular à pele(90º), não devendo ser utilizado várias aplicações consecutivas, devido a massa muscular ser relativamente pequena.

A delimitação deverá ser feita marcando quatro dedos abaixo do final do ombro e no ponto médio no sentido da largura(ao nível da axila), 3 a 3,5 cm acima da margem inferior do deltóide.

Posição do paciente: deitado ou sentado com o braço ao longo do corpo ou com o antebraço flexionado em posição anatômica, com exposição do braço e ombro.

Deve ser usado para adultos como última alternativa, após avaliação bem criteriosa.

Desvantagens:

  • Região de grande sensibilidade local;
  • Não permite que seja injetado grande volume;
  • Não pode ser utilizado para injeções consecutivas e com substâncias irritantes,pois pode causar abcessos e necrose;
  • Não deve ser usada para crianças com idade de 0 a 10 anos.


2. Região dorso glútea(DG):

Indicada quando tiver a necessidade de se administrar 3 a 5 ml. Um dado anatômico importante é o nervo ciático, fundamental para a motricidade dos membros inferiores. A área é estabelecida traçando-se um eixo imaginário horizontal com origem na saliência mais proeminente da região sacra, e outro eixo vertical, originando na tuberosidade isquiática, cuja linha de conexão fica paralela ao trajeto do nervo ciático. A injeção é aplicada no quadrante látero-superior externo.

Posicionar o paciente em decúbito ventral, com a cabeça voltada para o aplicador(para melhor observação de desconforto ou dor durante a aplicação),os braços ao longo do corpo e os pés virados para dentro. No caso de criança, estas deverá estar deitada firmemente no colo de uma pessoa adulta, em decúbito ventral.

Não é indicada para crianças menores de 2 anos, pois nesta faixa etária a região dorso glútea é composta de tecido adiposo e há somente um pequeno volume de massa muscular, a qual se desenvolve, posteriormente, com a locomoção, podendo por isso ser usada quando a criança já anda há um ano ou mais,geralmente na idade de 2 a 3 anos. E ainda, pela inquietação da criança há maior probabilidade de uma angulação inadequada da agulha, aumentando o risco de lesão neural.


3. Região ventroglútea(VG):

É a região mais indicada por estar livre de estruturas anatômicas importantes. É constituída pelos músculos glúteos médio e mínimo de espessura muscular grande (média de 4cm). Não apresenta vasos sangüíneos ou nervos significativos(área servida por pequenos nervos e ramificações vasculares). O posicionamento dos feixes musculares previne o deslizamento do medicamento em direção ao nervo ciático.

Esta região é assinada colocando a mão esquerda no quadril direito do paciente e vice-versa; aplica-se a injeção no centro do triângulo formado pelos dedos indicador e médio quando o primeiro é colocado na espinha ilíaca antero-superior e o segundo na crista ilíaca.

Esta é uma região indicada para qualquer faixa etária, especialmente crianças, idosos, indivíduos magros ou emaciados.

Posição do paciente: decúbito dorsal, lateral, ventral ou sentado.

Angulação 90° e volume máximo de 5ml.

Desvantagens:

  • Paciente vê a administração da injeção o que pode torná-lo apreensivo.
  • Resistência, por parte dos profissionais, à mudanças, devido a insegurança ou pelo apego às técnicas tradicionais.

4. Região face ântero-lateral da coxa(FALC):

Local seguro por ser livre de vasos sangüíneos ou nervos importantes nas proximidades. Os grandes vasos e nervos percorrem a região póstero-medial dos membros inferiores.

Outras vantagens:

  • Apresenta grande massa muscular;
  • Extensa área de aplicação,podendo receber injeções repetidas;
  • Proporciona melhor controle de pessoas agitadas ou crianças chorosas;
  • É de fácil acesso, tanto para o profissional, como para o próprio paciente que dela poderá utilizar-se sozinho. O local é identificado dividindo-se a área entre o joelho e o grande trocanter em terços; a injeção é aplicada na face lateral do terço médio. Determina-se o local respeitando a distância de 12 cm abaixo do trocanter maior e 9 e 12 cm acima do joelho. A aplicação é feita entre a linha média lateral e a linha média anterior da coxa.

Posição do paciente: deitado com o membro inferior estendido ou sentado com a perna fletida.

Angulação 45° e volume máximo de 3ml.

É indicada para lactente e infante(29 dias e 10 anos) e adolescente e adulto com restrição devido à dor.

É contra-indicada em recém-nascidos devido ao risco de contratura do quadríceps femoral.


TÉCNICA DE APLICAÇÃO DE INJEÇÃO INTRAMUSCULAR

Material necessário:

  • Algodão embebido em álcool a 70%.
  • Seringa e agulha de acordo com a viscosidade e quantidade da droga.
  • Medicamento prescrito.
  • Recipiente de parede rígida para desprezar o material utilizado(algodão, seringa e agulha).

Procedimento:

  • Rever a prescrição médica, observar aspecto da substância e prazo de validade.
  • Proceder à lavagem correta das mãos.
  • Montar a seringa e conectá-la na agulha,com técnica asséptica e testá-la.


PREPARAR A MEDICAÇÃO DA SEGUINTE FORMA:

Uso da ampola:

  • Agitar a ampola, sem formar espuma, para homogeneização(quando necessário);
  • Dar pancadinhas na parte de cima da ampola para drenar o líquido do gargalo para a base;
  • Limpar o gargalo com algodão e álcool. Segurar o gargalo envolvido em algodão entre o dedo polegar e o indicador: quebrar fazendo uma leve pressão;
  • Colocar a ampola entre os dedos indicador e médio com uma das mãos; com a outra, pegar a seringa e introduzir a agulha na ampola sem que o canhão toque o líquido.
  • Aspirar a quantidade de medicamento necessário;

Uso de frasco-ampola:

  • Retirar o protetor metálico e limpar a tampa de borracha com álcool 70%;
  • Aspirar ao diluente, introduzir a agulha na tampa de borracha e injetar o diluente;
  • Soltar o êmbolo permitindo que o ar volte;
  • Agitar com movimentos circulares (segurando na palma da mão a seringa com o frasco);
  • Injetar o ar contido na seringa (visando facilitar a remoção do liquido);
  • Colocar o frasco e a seringa em posição vertical de modo que o frasco fique sobre a seringa e aspirar a quantidade necessária;
  • Retirar a agulha e a seringa, e em posição vertical,com a agulha protegida com a capa, expelir o ar;
  • Posicionar confortavelmente o paciente. Escolher o local da administração (se não houver contra-indicação médica, a opinião do paciente deve ser levado em consideração);
  • Fazer anti-sepsia ampla do local com algodão embebido em álcool. Deixar a pele secar;
  • Colocar o algodão entre o dedo mínimo e anular da mão esquerda;
  • Segurar firmemente o músculo com a mão não dominante, estabilizando-o;
  • Introduzir totalmente a agulha, com a mão dominante, na parte central do músculo, mantendo esta mão segurando a seringa com firmeza;
  • Soltar o músculo e aspirar o êmbolo da seringa para verificar a presença de sangue;
  • Se houver presença de sangue, retirar a agulha e aplicar em outro local;
  • caso não haja sangue, injetar o medicamento lentamente;
  • retirar rapidamente a agulha, fazendo compressão local com o algodão.

Comentários