Antagonistas Adrenérgicos

Autor:
Instituição: Desconhecida
Tema: Química Farmaceutica

ANTAGONISTAS ADRENÉRGICAS


1. Introdução

Os medicamentos antagonistas adrenérgicos ou simpatolíticos produzem seus efeitos antagonizando as ações do SNAs. Podem ser classificados de acordo com o tipo de receptor em que exercem suas ações, ou seja, antagonistas a e b adrenérgicos. Os antagonistas adrenérgicos têm a capacidade de reduzir a atividade nervosa simpática, evitando somente que o agonista ou neurotransmissor interaja com o receptor.


2. Classificação dos Antagonistas Adrenérgicos

2.1 Antagonistas a Adrenérgicos

a) Fenoxibenzamina e Dibenamina (haloalquilamina)

Liga-se os receptores a através de ligações covalentes, produzindo um antagonismo não competitivo.

b) Fentolamina e Tolazolina (grupo das imidazolinas)

Antagonista reversível dos receptores a , produz um bloqueio competitivo que pode ser revertido pela administração de agonistas.

c) Prosozin (derivado da quinozolina), Terazosina, Doxazosina, Trimazosina.

Antagonista relativamente seletivo para os receptores a 1 .

d)  Alcalóides de Ergot

Ergotamina, Ergocristina, Ergocormina são antagonistas a 1 . Ergometrina apresenta propriedades ocitócicas (substâncias que acelera o esvaziamento uterino, estimulando as contrações do miométrio).

e) Ioimbina

Antagonista a 2 .


2.2 Antagonistas b Adrenérgicos

a) Propanolol

Protótipo das drogas b - bloqueadoras. As outras desenvolvidas são comparadas com este, diferenciando na seletividade dos receptores b 1, características farmacocinéticas e atividade simpatomimética intrínseca.

b) Metoprolol, Atenolol, Esmolol

Bloqueadores seletivos para os receptores b 1 (cardioseletivos).

c) Nadolol

Antagonista b não seletivo.

d) Timolol

Antagonista b não seletivo.

e) Labetalol

Antagonista b , com leve ação antagonista a .

f) Pindolol (curta duração), Carteolol (longa duração), Pembutol (ação intermediária)

São antagonistas b não seletivos, apresentando ainda propriedades agonistas parciais.


3 Farmacocinética

3.1 Antagonista a Adrenérgicos

As haloalquilaminas e imidazolinas são efetivos tanto por VO com EV, somente cerca de 20-30% dos medicamentos são absorvidos no trato Gi. As vias de biotransformação são pouco conhecidas; muitos destes medicamentos podem ainda depositar-se no tecido adiposo devido sua alta lipossolubilidade. A excreção desses medicamentos ocorre via urinária.

Os Alcalóides de Ergot podem ser administrados por via oral ou parenteral, são biotransformados no fígado e excretados pela bile.

O prozosin e Ioimbina são administrados preferencialmente por via oral, biotransformados no fígado e excretados pela urina.

3.2 Antagonista b adrenérgicos

Podem ser administrados por VO ou EV, sendo a oral a mais utilizada. São bem absorvidos no trato Gi. Concentrações plasmáticas são alcançadas cerca de 1h após a administração. O fígado é o principal órgão envolvido na biotransformação e a eliminação urinária é a via de excreção. Meia-vida do propanolol 3h, do nadolol 20h e do timolol, esmolol, metoprolol e pindolol 3 a 4h.


4. Efeitos Farmacológicos

4.1 Antagonista a Adrenérgicos

a) Fenoxibenzamina - a inibição dos receptores a resulta em maior concentração de NA no receptor b , acarretando em aumento da freqüência cardíaca, aumento da força de contração e aumento do débito cardíaco. Inibe as contrações da musculatura lisa do baço, ureter e do músculo radial da íris. Antagoniza a contração do músculo liso vascular produzindo vasodilatação.

b) Fentolamina - atuam na musculatura lisa promovendo estimulação cardíaca, trato Gi, secreção gástrica e promove a vasodilatação periférica.

c) Prosozin - diminuem a pressão arterial sem produzir taquicardia.

4.2 Antagonistas b -Adrenérgicos

O propranolol é o protótipo das drogas b -bloqueadoras, outras desenvolvidas são comparadas com este, diferenciando na seletividade dos receptores, características farmacocinéticas e atividade simpatomimética.

A administração prolongada destes agentes resulta em redução da pressão sanguínea, favorecendo sua utilização no tratamento da hipertensão primária. Efeitos cronotrópicos e inotrópicos negativos.


5 Usos Terapêuticos

5.1 Antagonistas a Adrenérgicos

a) Fenoxibenzamina - pelo fato de bloquear a vasoconstricção, este agente é usado em espasmos vasculares, para reduzir a pressão arterial, como também usada nos casos de arritmias.

b) Alcalóides de Ergot - a musculatura uterina lisa é estimulada pelo Ergot a contrair-se, sendo o mesmo mais comumente utilizado para estimulação motora do útero no pós-parto.

5.2 Antagonista b Adrenérgicos

Como reduzem os efeitos da NA e AD, no músculo cardíaco são empregados no tratamento de desordens cardiológicas.

No glaucoma são utilizados topicamente para reduzir a pressão intra-ocular, devendo ser mediado pela diminuição do humor aquoso (principalmente o timolol).

O propanolol tem sido usado em cães no tratamento de taquicardia idiopática, supraventricular, etc.


6 Efeitos Colaterais

6.1 Antagonistas a Adrenérgicos

Hipotensão, taquicardia (exceto prosozin), inibição da ejaculação. Atuam no SNC (principalmente a fenoxibenzamina) produzindo náuseas, vômitos, dor abdominal, diarréia, ...

6.2 Antagonista b Adrenérgicos

A retirada abrupta do propanolol em pacientes tratados prolongadamente com este medicamento pode causar angina, arritmias e taquicardias, podendo ser evitadas esses sintomas pela redução gradual do medicamento.

O bloqueio de receptores b 2 provocado por esses medicamentos produz inibição do efeito broncodilatador do tônus simpático, levando a broncoconstricção intensa, portanto não devem usados em episódios de reação alérgica e asma brônquica.


Bibliografia Consultada

Silva, P. Farmacologia. 5 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998. 825p. Spinosa, H.S.; Górniak, S.L.; Bernadi, M.M. Farmacologia Aplicada à Medicina Veterinária. 2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1999.646p.

Comentários