Amigo Nerd.net

Melhoramento Genético das Aves - Raças de Frango de Corte

Autor:
Instituição: Unic
Tema: Melhoramento Genético

MELHORAMENTO GENÉTICO EM AVES

CUIABÁ – MT

OUTUBRO 2005


INTRODUÇÃO

A avicultura é a atividade da agropecuária que apresentou os maiores índices de evolução nas últimas décadas. Os pilares do desenvolvimento avícola estão assentados na utilização da genética avançada, manejo, sanidade, alimentação e instalações.

Os programas de melhoramento genético de aves são embasados na variabilidade genética dos indivíduos, que pode ser alterada por meio da introdução de novos genótipos no plantel. A hibridação é também usada com freqüência na condução dos programas de melhoramento genético de aves, cujo sucesso depende da divergência genética dos progenitores. Assim, indivíduos mais produtivos poderão ser gerados com o uso de progenitores que apresentem altos índices de produtividade e grande diversidade genética


MELHORAMENTO GENETICO DAS AVES

A avicultura é a atividade da agropecuária que apresentou os maiores índices de evolução nas ultimas décadas. Os pilares do desenvolvimento avícola estão assentados na utilização de genética avançada, modernas técnicas de manejo, sanidade, alimentação e instalações compatíveis com as exigências altamente competitivas dos mercados produtivo industrial e consumidor. O Brasil é o segundo maior produtor mundial de frangos, com cerca de 4 milhões de toneladas/ano; é o quarto maior exportador de carne de frango, com aproximadamente, 430 mil toneladas/ano; é o sétimo maior produtor mundial de ovos, com 14,9 bilhões/ano. Nos últimos 15 anos, a produção brasileira de frangos tem evoluído à taxa média de 10% ao ano e o consumo per capita cresce em proporção semelhante. Qualidade, competitividade e eficiência tem assegurado ao setor avícola patamares de produção e produtividade que se nivelam aos do primeiro mundo.

Em 1974, um reprodutor atingia 1,495 Kg de peso médio aos 56 dias de idade. Em 1984, a idade ao abate caiu para 45 dias e o peso médio subiu para 2045 Kg. Atualmente, o peso de um reprodutor alcança 2,0 Kg em 35 dias. Em 1974; 45,5 g/dia em 1984 e 57 g/dia em 94.

Os indicadores, de produção para frangos de corte e poedeiras, relacionados na Tabela 1, demonstram a evolução da atividade.

Tabela 1. Evolução da avicultura de corte e de postura no período de 1910-2001.

 

Corte Postura

Ano

Peso médio (g)

Conversão alimentar

Idade de abate (dias)

Ovos/ano

Peso do ovo (g)

Conversão alimentar (dúzia/ano)

1910

-

-

-

80

55

4,10

1920

-

-

-

90

55

4,00

1930

1500

3,50

105

120

54

3,25

1940

1550

3,00

98

182

53

2,50

1950

1600

2,50

70

219

54

2,08

1960

1600

2,25

56

237

56

1,92

1970

1600

2,00

49

255

57

1,77

1980

1700

2,00

49

292

58

1,56

1984

1860

1,98

45

-

-

-

1985

1940

1,98

45

-

-

-

1990

-

-

-

304

57

1,50

2001

2240

1,78

41

318

57

1,40


Fonte: Andrade (1990)

Não resta duvida de que o melhoramento genético das aves contribuiu, de forma expressiva, para o progresso alcançado.

Toda essa evolução é produto de importação de material genético básico e de pacotes tecnológicos. O Brasil, em geral multiplica as matrizes e produz pintos de um dia ou ovos.

O esforço da pesquisa brasileira na busca de redução, ou até da independência genética, não é recente. Mais recentemente, outras instituições públicas estão envolvidas em pesquisas nas áreas de avicultura de corte e postura, como o Centro Nacional de Pesquisa de Suínos e Aves (CNPSA), a Escola Superior da Agricultura Luiz de Queiroz, em Piracicaba; as Universidades Federais de Ciçosa, MG, e Santa Maria, RS. As dificuldades econômicas do país sempre crônicas, além dos baixos investimentos em ciência e tecnologia, têm retardado a evolução das pesquisas e a obtenção de resultados projetados como metas.


GARGALOS DA AVICULTURA NO BRASIL

Reconhece-se que a avicultura brasileira é uma atividade econômica moderna e altamente competitiva em termos internacionais. A despeito de toda essa pujança, a atividade é quase que inteiramente dependente da importação de material genético de outros países, principalmente dos EUA, França; Inglaterra, Alemanha e Holanda. No caso de frangos de corte mais de 80% da produção comercial é feita com material genético de apenas cinco empresas de melhoramento genético (Torres, 1998). É baseada em linhagens importadas como Hubbard, Peterson, Arbor Acres, Cobb Farms (todas americanas), Indian River (européia), Shaver (canadense), Isa, MPK (franco-americana) e Hybro (holandesa). Na área da postura, a dependência atinge a 100% e está representada, além das linhagens mencionadas anteriormente, pelas linhagens Hy-Line, Babcock (americanas), Lohmann e Hysex (holandesas) segundo relato de Salle et al. (1998). Segundo estes autores, esta situação de dependência representava o grande gargalo ou "calcanhar de Aquiles" do setor, não só pelo dispêndio de divisas, mas sobretudo por colocar a produção brasileira submissa a fornecedor es externos.

Com a globalização e intensificação do comercio internacional, o maior risco para a avicultura pode estar relacionado com a introdução de novas doenças ou surtos da já existentes em nosso país. Portanto, um rígido programa profilático-sanitário é decisão inadiável, bem como da necessidade do Brasil desenvolver suas próprias linhagens produtoras de frangos e ovos. O Centro Nacional de Pesquisa de Suínos e Aves (CNPSA) vem trabalhando nesta direção ao conceber um programa de pesquisa e desenvolvimento de linhagens nacionais de aves para corte e para postura de ovos brancos e castanhos, absorvendo antigo programa comercial de Granja Guanabara. Segundo Figueiredo et al., (1999) como resultado do programa do CNPSA já está sendo comercializado, para a avicultura de postura, um pacote denominado Embrapa 011, formado por linhas puras de raça Leghorn, selecionadas e cruzadas entre si nas condições brasileiras. Um segundo pacote comercial, denominado Embrapa-021, formado pelas linhas puras das raças Cornish branca e Plymouth Rock branca, também cruzadas entre si e já disponibilizadas para a produção de frango de corte. Um terceiro paco te comercial denominado Embrapa-031, formado por linhas puras das raças Plymouth Rock branca e Rhode Island Red, selecionadas para a produção comercial de ovos de mesa, cor marrom, foi finalizado em dezembro de 1998. Es tas investigações são estratégicas para o país sob vários aspectos: 1) redução dos riscos de introdução de doenças exóticas; b) geração de tecnologia nacional com potencialidade de exportação; c) independência das restrições impostas por outros países; d) economia de divisas, pequena mas expressiva do ponto de vista nacional; e) produção de materiais genéticos adaptados às nossas condições de criação, etc. È preciso Apoio político para dar sustentação a programas desta natureza, para que tenham a desejada sustentação a programas desta natureza, para que tenham a desejada estabilidade e visão do longo prazo e não acabem morrendo, como já aconteceu com outras iniciativas propostas por varias instituições públicas brasileiras.


HERANÇA DAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS ECONÔMICAS NAS AVES

Produção de ovos – características mais importantes no melhoramento das aves, cujo estudo se tornou possível graças à descoberta do ninho alçapão.

A produção de ovos depende dos seguintes fatores que devem ser selecionados:

1. Maturidade sexual – ou idade do aparecimento do primeiro ovo. Geralmente, em condições normais, aves precoces produzem mais ovos do que aves tardias. Foi determinado que está característica depende, primariamente, de dois genes dominantes: um autossômico (E1) e outro ligado ao sexo (E). A ambos os genes, isoladamente, é atribuída a idade da maturidade sexual que varia de 140-180 dias. Esta característica pode estar também relacionada com o empenamento das aves –aves precoces empenam mais cedo. O meio ambiente importante no aparecimento da maturidade sexual;época de nascimento, nutrição e luz representam fatores importantes no aparecimento do primeiro ovo. Sob o ponto de vista econômico, a maturidade sexual deve ser retardada em virtude do tamanho do ovo – ave precoce produzir mais ovos, o tamanho é pequeno, resultando em preço menor no mercado. Grandes explorações avícolas produtoras de ocos, utilizam de métodos especias para o retardamento da maturidade sexual. A herdabilidade para esta característica é estima entre 0,15 e 0.50.

2. Intensidade de postura-número de ovos produzidos em determinado período de tempo: - aves que possuem ciclos grandes, apresentam alta intensidade de postura.

3. Ausência de Choco- O desaparecimento do choco coincide com; (a) fim do período de criação dos pontos; (b) início da produção de ovos. Aparecimento chôco é devido a produção do hormônio prolactina, pela adeno-hipófise. O estímulo para a produção de prolactina, origina-se da pressão exercida pelos ovo, e posteriormente, os pintos, no peito da ave.

A seleção contra o aparecimento do choco é altamente eficiente, e,consiste na retirada ou eliminação de todas as aves que apresentam o chôco.

Linhagens comercias leves praticamente não apresentam choco;linhagens pesadas, ainda existe, mas a ocorrência é muito pequena. Geneticamente, o chôco é produzido por dois genes complementares A e C, ambos autossômicos e dominantes.

4. Persistência – é representada pelo comprimento do período de produção, desde o primeiro ovo até a parada de produção. Pausa e persistência de postura, tem sido consideradas como características genéticas independentes. A correlação entre produção anual de ovos e persistência de postura, é, em torno, de 0,75.

5. Tamanho ou Peso do Ovo – característica mais importante sob o ponto de vista comercial. É característica cuja herdabilidade varia de 0,2 a 0,8; esta variação é devido, principalmente, ao período de tomada da amostra, mas a herdabilidade média, baseada na produção anual, é, em torno, de 0,5.

Aves pesadas ovos grandes, aves leves, ovos pequenos. Dentro de linhagem ou raça, existe correlação genética positiva entre a combinação de dois dos seguintes fatores: tamanho do ovo, maturidade sexual e tamanho do corpo.

6. Resistência ou Espessura da Casca – característica comercialmente importante; a comercialização de ovos se baseia na integridade e limpeza da casca.

Quanto mais espessura mais resistente e vice-versa – sendo medida indiretamente pelo peso especifico ou diretamente pela média de três medidas tomadas no diâmetro equatorial da casca. A herdabilidade estimada par ao peso especifico varia de 0,3 a 0,6.

7. Qualidade do albúmen – é a medida principal interna, expressa geralmente, em termos de unidades Haugh. É uma medida que depende do tamanho do ovo, espessura da casca, temperatura ambiente, idade do ovo etc. As estimativas de herdabilidade são bastante variáveis, dependendo do método de analise, linhagem e raça – a estimativa varia de 0,1 a 0,7.

8. Manchas de Sangue e coágulos – são fatores que depreciam a qualidade interna dos ovos. São originários de lesões na mucosa do oviduto. Pelo menos, em condições normais de produção, 1 a 3% dos ovos produzidos contem tais defeitos. Geneticamente, tanto as manchas de sangue como os coágulos, são considerados independentes. Seleção para incidência baixa ou alta de manchas de sangue tem sido realizada com sucesso. A herdabilidade estimada é de 0,1 a 0,5.

9. Colesterol – a associação do colesterol com doença cardio-vasculares tem provocado atenção dos melhoristas em reduzir seu nível na gema do ovo. Há variações entre raças e linhagens. Relatos de estimativas de herdabilidade de 0,15 – 0,20 evidenciam a existência da influencia genética. Linhagens de alta é baixa concentração de colesterol diferiram significativamente da linhagem controle. A concentração de colesterol da gema da linhagem baixa não diferia estatisticamente do controle. A ausência de resposta na linhagem baixa sugere que a seleção para concentração de colesterol somente foi efetiva na direção superior desta população.

A universidade Federal de Viçosa, realizou pesquisas em melhoramento avícola das aves com resultados bastante expressivos no que diz respeito as estimativas de herdabilidade, e das correlações genéticas e fenotipicas, em linhagens para produção de ovos; tais estimativas relacionam-se com medidas de canela e da quilha durante a fase de recria. Restrição alimentar durante a fase de recria e sua relação com a fase produtiva. Peso dos órgãos internos e características respectivos acasalamentos, trabalho executado por Torres. A maioria dessas estimativas estão resumidas a seguir.

Concluindo: o melhoramento genético das aves leves ou seja, das poedeiras, tem experimentado progresso lento nos últimos anos, em virtude da própria natureza genética das características econômicas a serem selecionadas. Por outro lado, há de se levar em consideração que, nos últimos anos, os métodos de exploração avícola sofreram evolução tremenda, principalmente na exploração de poedeiras em gaiolas, em que a densidade é bastante elevada, ocasionando efeitos danosos à produção da ave. Entretanto, os benefícios econômicos superam tais efeitos, se considerar apenas a produção de uma ave, criada isoladamente em gaiola, portanto, com a densidade de quase 100 cm2/ave, o progresso ou ganho genético deve ter melhorado em, pelo menos, 10 a 15 ovos/ave, naquele período, ou seja, 1 ovo/ave/ano.

Em ultima analise, o objetivo final da seleção para produção de ovos é melhorar a eficiência econômica da produção ao longo de todo o ciclo de postura. Parece não estar longe especular da utilidade de se promover, simultaneamente, seleção para peso do ovo e produção de ovos. Na prática, a inclusão de características qualitativas do ovo, pelas relações antagônicas entre algumas delas, pode oferecer progressos apreciáveis. Há, no entanto, carência de informações tecnológicas do esquema de seleção capaz de otimizar a seleção para o conjunto de características qualitativas do ovo.


PRODUÇÃO DE CARNE

O melhoramento genético das aves iniciou-se, praticamente, com as aves pesadas; já na década de vinte a preferência pelas aves de duplo propósito, ou seja, ovos e carne, começou a se acentuar, atingindo o clímax na década de trinta. Tal preferência teve as suas razoes – as características a produção de ovos. Aliado ao fato do aumento de consumo, as características exigidas foram alcançadas culminando com a ave que se encontra hoje no mercado. Geneticista da Arbor Acres, fez uma analise cronológica das mudanças ocorridas no melhoramento genético das aves pesadas a seguir.

Tabela 2. Mudanças cronológicas ocorridas nas características genéticas da reprodutora pesada

1950

1960

1970

1980

Produção

Peso do corpo

Peso do corpo

Carcaça:

Peso do corpo

Conformação

Conversão

Rendimento

Viabilidade

Produção

Conformação

Classificação

Eclosão

Peso do ovo

Classificação

Conformação

Peso do ovo

Viabilidade

Peso do ovo

Conversão

Cor das penas

 

Produção

Peso do corpo

   

Peso do ovo

   

Produção

   

Eclosão


Fonte: Rishell, W. A., 1979. Trade-offvalues affect the genetic objetives. Arbor acres review, 23:1 – Glastonbury. Conn.

Observa-se que até na década de oitenta, as características de carcaça ocuparam a posição privilegiada, em comparação com peso do ovo, produção e eclosão. É bem provável que estas últimas características já tenham atingindo os valores desejáveis, portanto, qualquer alteração acima dos níveis já conseguidos, pode provocar alterações no desempenho do frango de corte, o que não é nada agradável.

Taxa de crescimento – a herdabilidade para esta característica, a uma idade considerada como sendo econômico (8 semanas), gira em torno de 0,4 a 0,8. A taxa de crescimento é semelhante ao peso do corpo aquela mesma idade – geralmente, exige-se para uma determinada idade um determinado peso ao abate, por isso, ambas as características apresentam o mesmo grau de herdabilidade. Atualmente, muitas linhagens selecionadas intensamente para ganho de peso, em varias gerações, tem apresentando valor baixo de herdabilidade; esta ausência de resposta está sendo observada na maioria das linhagens pesadas.

A seleção para taxa de crescimento, ou velocidade de ganho ou precocidade, tem mostrado resultados incríveis; nos últimos 25 anos, a idade ao abate era em torno de 84 dias (12 semanas), atualmente está em torno de 49-50 dias, com, pelo menos 300g de peso a mais. Devido ao problema da automatização no abate das aves, que vem ocorrendo na maioria dos abatedouros industriais, a necessidade de se ter indivíduos uniformes torna-se altamente prioritária.

O melhoramento genético dos frangos de corte tem sido extraordinário, notadamente nas quatro ultimas décadas. A taxa de crescimento foi praticamente triplicada ao longo desse período. Basicamente, dois fatores contribuíram para o sucesso alcançado; a) herdabilidade de moderada a alta para taxa de crescimento (h2 = 0,40); b) intensa pressão de seleção. Crescimento mais rápido resulta em idades mais precoces ao abate, redução de custos de produção e maior lucratividade da atividade.

Os resultados da seleção para peso e ganho de peso são notáveis. Em 1974, um reprodutor alcançava 1,495 Kg de peso médio aos 56 dias de idade; em 1984, o peso médio atingiu 2,045 kg e a idade 45 dias; em 1995, os valores alcançaram, respectivamente, 2.050 Kg e 35 dias. Estima-se que o ganho médio diário possa alcançar, por volta do ano 200, 65 g/dia.

Os dados reais do efetivo melhoramento genético dos frangos de corte mostram que a evolução é de um dia de abate a menos por ano. Em outras palavras, a cada ano o frango de corte e abatido mais precocemente. Há projeções de que, mantidos ou atuais ritmos de crescimento, o frango pode atingir o peso de abate tão cedo que a distancia de tempo entre o incubatório e o abatedouro seria menor do que 30 dias. Já hoje é possível obter um frango 2,1 Kg em 38 dias.

Conversão alimentar – a alimentação é responsável por cerca de 70% dos custos de produção de 1Kg de frango ou de uma dúzia de ovos. A eficiência alimentar, que é o inverso da conversão alimentar, mede a eficiência com que o alimento é convertido em tecido corporal ou ovos. É expressa como a razão de peso de alimento consumido por unidade de ganho de peso ou de produção de ovos.

A convenção alimentar pode ser medida a um peso constante ou a intervalos de idades. No primeiro caso, há favorecimento às vezes de maior velocidade de crescimento e redução acentuada das exigências de mantença. No segundo caso, ocorre penalização das aves que apresentam maior velocidade de crescimento, visto que, sendo mais pesadas, provocam custo de manutenção mais alto. Como as aves são abatidas em pesos-padrão, é recomendável que as mensurações de eficiência sejam efetuadas naqueles pesos.

A relação entre eficiência alimentar e ganho de peso vivo é de importância, tanto econômica como biológica. Até recentemente, o melhoramento genético da eficiência de utilização dos alimentos nas aves de corte tem sido alcançado quase que inteiramente como resposta a período de crescimento. Em geral, aves de crescimento mais rápido, entre ou dentro de linhagens, são mais eficientes em converter alimentos em peso corporal do que aquelas de crescimento mais lento. As correlações genéticas entre ganho de peso e conversão alimentar, medidas em vários intervalos, variam de –0,25 a –0,70.

Taxa se sobrevivência – a herdabilidade é comumente muito baixa, de 0,0 a 0,05. A mortalidade inicial é muito dependente de fatores ambientes do que propriamente genéticos. A qualidade do pinto ao nascer e as condições de criação são fatores preponderantes na mortalidade inicial e na taxa de sobrevivência.

Características da carcaça – a carcaça das aves, por exigência do mercado consumidor, deve ser magra, bem musculosa, livre de defeitos e com alta proporção de carne.

O excesso de gordura, além de ser indesejável, tem influencia negativa sobre a eficiência alimentar, alem de comprometer a eficiência reprodutiva a aumentar a incidência de ascite.


CARACTERISTICA DE INTERESSE ECONOMICO EM AVICULTURA

Desde o início do ano 2000, a Embrapa Suínos e Aves, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), sede em Concórdia, SC, desenvolve projeto de pesquisa sobre mapeamento de QTL  (loci para característica quantitativa) para produção e qualidade de carne em frangos de corte. Esse projeto está sendo realizado por meio de dois subprojetos:

Subprojeto 1: Formação de uma população de aves específica para mapeamento de QTL

Subprojeto 2: Identificação de QTLs através de genes candidatos que atuam no desenvolvimento muscular de aves atualmente em execução na Esalq-USP, Piracicaba, SP.

Segundo a pesquisadora Mônica Ledur, da área de genética e melhoramento animal esse projeto focalizou  os seguintes problemas:

a) A inexistência de população com delineamento experimental específico para estudos de mapeamento genômico em aves, criadas nas nossas condições de clima e manejo;

b)A seleção tradicional é baseada no fenótipo, apresentando limitações que poderão ser parcialmente eliminadas com o uso da informação molecular, possibilitando a seleção diretamente pelo genótipo (DNA), resultando em uma seleção mais precisa ou precoce ou ainda de mais baixo custo, dependendo da característica em questão; e,

c)A competitividade internacional na indústria avícola exige o desenvolvimento de novas tecnologias que auxiliem os programas de melhoramento na seleção de características de produção e qualidade de carne.

De acordo com  a pesquisadora, a estratégia de gene candidato tem apresentado bons resultados para identificar marcadores associados à características de interesse econômico em animais domésticos.

Os objetivos do projeto são:

1. formar duas populações de aves específicas para análise genômica;

2.  realizar a caracterização molecular de alguns genes envolvidos no crescimento muscular em aves;

3. avaliar o polimorfismo desses genes; e,

4. associar o polimorfismo dos genes candidatos com características de desempenho das aves.

A formação da população para estudos genômicos em condição brasileira de clima e manejo está proporcionando uma posição de destaque do país em estudos de mapeamento em aves, possibilitando a formação de parcerias com instituições nacionais e internacionais. A pesquisadora informou que já foi realizada a caracterização dos genes candidatos miostatina, MRF4, Myf-5 e miogenina  e seqüências inéditas foram descritas. "Vários polimorfismos foram identificados nesses genes, o que permitirá a possível detecção de algum marcador que possa ser utilizado na seleção" explicou Ledur. No momento, os polimorfismos estão sendo analisados, sendo que os mais importantes serão genotipados nos animais F2.


RAÇAS E LINHAGENS DE GALINHAS PARA CRIAÇÕES COMERCIAIS E ALTERNATIVAS NO BRASIL

No caso daqueles interessados em produção para subsistência e agroecológicas, destacam-se as galinhas capazes de produção de ninhadas, cujos frangos machos possam ser abatidos aos seis meses de idade e que as fêmeas integrem o plantel de produção de ovos. Para esse tipo de produtor as raças mais recomendáveis estão descritas na Tabela 1.

Tabela 1

Raças para criações de Subsistência

Plymouth Rock Barrada (carijós)

Rhode Island Red (vermelhas)

New Hampshire

Shamo

Asil


Para produtores interessados na criação comercial de raças puras para produção agroecológica, criações ornamentais e exposição, passatempo etc, as principais estão na Tabela 2.

Tabela 2

Racaspuras para exposições

País de Origem

Leghorne (branca, perdiz, negra)

Espanhola

Australorp

Inglesa

Minorca

Espanhola

Rhode Island Red

Americana

Plymouth Rock (branca ou barrada)

Americana

New Hampshire

Americana

Sussex

Inglesa

Orpington (branca, preta, amarela, azul)

Inglesa

Brahma (clara, escura, amarela)

China

Cochin (branca, preta, amarela, pedrez)

China

Gigante de Jersey (branca, preta)

Americana

Bantam

Japonesas

Turken

Transilvânia

Cornish (branca, preta)

Inglesa

Shamo

Tailândia

Asil

Índia

Sumatra

Sumatra


Para os produtores interessados na produção comercial de carne e ovos existem os híbridos de corte e de postura importados e nacionais. O desempenho esperado dos híbridos de frangos de corte é de peso médio aos 42 dias de idade com 2,400 kg, conversão alimentar 1,7, rendimento de carcaça de 73% e rendimento de carne no peito de 22%, com pequenas variações entre linhagens e entre sistemas de produção (Tabelas 3 e 4).

Tabela 3, 4

Híbridos comerciais de postura (importados)

Híbridos comerciais de frangos de corte (importados)

Hisex (branca e marrom)

Ag Ross

Lohmann (branca e marrom)

Cobb Vantress

Isa (branca e marrom)

Hybro

Hy-Line (branca e marrom)

Isa Vedette

Shaver (branca e marrom)

MPK

H&N Nick Chick (branca e marrom)

Hubbard

Tetra

Arbor Acres

Harco

Avian

 

Shaver


Os híbridos comerciais de postura apresentam produção de 330 ovos até 80 semanas de idade, que pesam em média 60 g e conversão por dúzia de ovos de 1,4.

Também existe um grupo de linhagens híbridas adaptadas para sistemas alternativos de produção do tipo colonial, orgânico, biodinâmico, biológico e agroecológico, mais produtivas do que as raças puras, das quais os de postura e os de corte podem ser conferidas na Tabela 5.

Tabela 5

Híbridos alternativos de frangos de corte

Idade de
 abate, dia

Peso, g

Caipira Pescoço Pelado

90-100

2200

Paraíso Pedrez

85

2400

Embrapa 041

85

2250

Frango Gaúcho

85

2200

Acoblack

90-100

2200

Gigante Negro

90-100

2200

Pesado Vermelho

70-80

2200

Carijó Pesado

70-80

2200

Carijó Pescoço Pelado

70-80

2200

Master Griss

56-68

2200

Pesadão Vermelho

56-68

2200



RAÇAS PURAS DE GALINHAS DE DUPLO PROPÓSITO

Plymouth Rock - É uma raça americana de pele amarela, crista serra e ovos de casca marrom. Admite-se na Associação Americana de Aves as variedades Barrada, Branca, Amarela, Prata Pinceledo, Perdiz, Columbia e Azul. Quando adultos, os machos pesam em média 4,313 e as fêmeas 3,405 kg. As galinhas produzem em média 180 ovos no primeiro ciclo de postura, que pesam em média 55g .

Plymouth Rock Branca - As aves desta variedade foram muito utilizadas nos primeiros cruzamentos para produção de frangos de corte. Atualmente serve de material básico na formação de muitas linhas cruzadas. A maioria das linhas originais dos frangos de corte era de empenamento tardio, uma desvantagem para a produção de frangos de qualidade. Atualmente, a maioria das linhas disponíveis é de empenamento rápido.

Plymouth Rock Barrada- As aves desta variedade apresentam penas com barras brancas e pretas no sentido transversal, dando um

Comentários


Páginas relacionadas