Titulação Ácido-Base

Autor:
Instituição: UEMG
Tema: Relatório de Química

RELÁTORIO DE QUÍMICA EXPERIMENTAL - TITULAÇÃO ÁCIDO BASE

Data da experiência 29 de maio de 2004.

Data da entrega 26 de Junho de 2004.

" Mais importante que aprender é nunca perder a capacidade de aprender"


TÍTULAÇÃO ÁCIDO -BASE

É o método pelo qual se determina uma quantidade desconhecida de uma substância particular, mediante a adição de um reativo-padrão que reage com ela em proporção definida e conhecida. A adição de um reativo-padrão (um reativo de concentração conhecida e freqüentemente designado como reativo-titulado) se regula e se mede de alguma maneira, requerendo-se um método de indicação para saber quando a quantidade do reativo normal juntado é precisamente a suficiente para reagir quantitativamente com a substância que se determina. Por conseguinte, conhecendo a proporção em que reagem as substâncias e tendo determinado a quantidade de uma substância (o reativo titulado) necessária para reagir nesta proporção, pode-se calcular facilmente a quantidade desconhecida de substância presente no frasco da reação.

Em uma titulação, o ponto em que a quantidade de reativo titulado adicionado é exatamente a suficiente para que se combine em uma proporção estequiométrica, ou empiricamente reproduzível com a substância que se determina , chama-se ‘ponto de equivalência’. O ponto final de uma titulação deve coincidir com o ponto de equivalência ou estar muito próximo dele. A diferença entre os pontos de equivalência e final se chama intervalo do indicador.

As titulações se realizam quase sempre com soluções ou dissoluções, porém também é fácil realizá-las com substâncias nos estados gasoso, sólido e de fusão, se se dispõe de um equipamento adequado.


INTRODUÇÃO:

A primeira definição moderna de ácidos e bases deve-se ao químico sueco Svante Arrhenius (1859-1927), que definiu os ácidos como as substâncias que aumentam a concentração de iões hidrónio (H3O+) em solução aquosa e bases como as substâncias que aumentam a concentração de iões hidróxido (OH-) em solução aquosa. Assim, por exemplo, o ácido nítrico (HNO3) é um ácido porque em solução aquosa reage do seguinte modo

HNO3        H3O+  +  NO3-

Analogamente, o hidróxido de potássio (KOH) é uma base porque em solução aquosa reage assim:

KOH        K+  +  OH-

Apesar de a teoria de Arrhenius explicar o comportamento ácido e básico de um grande número de substâncias, é ainda muito restrita. Assim, por exemplo, não permite explicar o carácter básico do amoníaco (NH3). Um conceito mais amplo foi dado pelo químico dinamarquês Bronsted (1879-1956) e pelo químico inglês Lowry (1874-1936), que definiram ácido como aquela substância capaz de ceder um protão a outra substâncias e uma base como aquela substância capaz de aceitar um protão de um ácido. Quer dizer, um ácido é um dador de protões e uma base é um receptor de protões.

A teoria de Bronsted e Lowry permite explicar o comportamento básico do amoníaco. As soluções aquosas do amoníaco são básicas porque a água actua como um ácido, cedendo um protão à molécula de NH3, que atua como uma base.

NH3  +  H2O    NH4+  +  OH-

Em geral, qualquer reação ácido-base, segundo a teoria de Bronsted e Lowry, pode representar-se do seguinte modo:

ÁcidoA  +  BaseB  <->  ÁcidoB  +  BaseA

O ácido e a base A representam o par conjugado e o ácido B e a base B outro par conjugado. Os membros de um par conjugado diferem unicamente num protão. Diz-se que um ácido é forte quando a sua base conjugada é fraca.

Analogamente, uma base é forte quando o seu ácido conjugado é fraco. As sustâncias que, como a água, podem comportar-se indistintivamente como ácidos ou como bases recebem o nome de anfotéricas.


EXPERIÊNCIA: TÍTULAÇÃO ÁCIDO-BASE

1. OBJETIVOS:

Padronização de uma base utilizando como padrão uma solução de 0,1mol de biftalato de potássio (para analise)


2. MATERIAIS:

  • Bureta de 50 ml;
  • Água destilada e fervida;
  • Biftalato de potássio (sal acido);
  • Erlenmeyer 250 ml;
  • Bico de bunsen (para ferver a água);
  • Balança analítica;
  • Béquer de 50 ml;
  • Gotas de fenolftaleina;
  • Hidróxido de sódio.


3 PROCEDIMENTOS:

1-montar o equipamento;

2-colocar na bureta o NaOH;

3-colocar no béquer água; mais o biftalato de potássio e as gotas de fenolftaleina (a solução continua incolor);

4-começa a pingar o NaOH no recipiente, ao pingar em torno de 32,1ml a solução começa a ficar rosada;

5-se você sopra na água ela volta a ficar incolor, pingando mais 2 gotas de NaOH ela retorna ao rosa.


3 – CÁLCULO:


4 - ESQUEMAS ILUSTRATIVOS:

Béquer - Apropriado para reações, dissolução de substâncias, precipitações e aquecimento de líquidos. Para levá-lo ao fogo, use tripé com a proteção da tela de amianto.

Tripé de ferro - Sustentáculo utilizado com a tela de amianto para aquecimento de várias vidrarias.

Bureta - Serve para medir volumes, principalmente em análises. É utilizada para realizar medidas precisas de volume, também é utilizada em titulações.

Tela de amianto - Serve para evitar o aquecimento direto de vidros refratários distribuindo o calor do bico de gás de forma uniforme.

Frasco de Erlenmeyer - Utilizado em titulação, aquecimento de líquidos, dissolução de substâncias e realização de reações. Quando aquecê-lo, empregue o tripé com a proteção da tela de amianto.

Bico de Bunsen - Também conhecido como bunsen. É a fonte de aquecimento mais empregada em laboratório. No entanto não se deve utilizá-lo para aquecer substâncias inflamáveis, para isso, deve-se utilizar uma chapa elétrica.

Pisseta - Frasco para lavagem de materiais e recipientes por meio de jatos de água, álcool e outros solventes.

Balança Analítica balança automaticamente escolhe o melhor modo de medição considerando-se a carga, vibração e outras condições ambientais.



5 - CONCLUSÃO:

Se uma solução de ácido é titulada com uma solução alcalina (ou seja, na acidimetria) as hidroxilas da solução alcalina combinam-se com os hidrogênios ionizáveis do ácido, aumentando o pH da solução; em determinado pH o ponto de equivalência é atingido e a reação terminada. O mesmo raciocínio se aplica as soluções alcalinas tituladas por ácidos (isto é, a alcalimetria): o pH no ponto de equivalência depende da natureza e da concentração dos reagentes.


6- BIBLIOGRAFIA

Grande Enciclopédia das Ciências - QUÍMICA, Ediclube

Sites de busca

Comentários