Amigo Nerd.net

A Vida e Obra de Émile Durkheim

Autor:
Instituição: Faculdade Joana D´Arc
Tema: Sociologia

Discussão sobre Émile Durkheim


Introdução

Nasceu em 1.858 David Émile Durkheim, em Épinal, região de Lorena na França. Ele consolidou a Sociologia como ciência empírica e se tornou o primeiro professor universitário de Sociologia em sua primeira aula falou sobre a solidariedade social. Viveu durante épocas conturbadas como por guerras. Durkheim conseguiu através de seus feitos se tornar mais notável sociólogo Francês, após Comte ter criado a Sociologia de fato.

Via na ciência social uma expressão da consciência racional das sociedades modernas. Durkheim recebeu grandes influências como Kant, mas delas tirou suas próprias conclusões, aplicando a sua doutrina em suas aulas. Levando em consideração a ciência lógica do método positivo apoiado na observação, indução e experimentação.

A vida de durkheim foi marcada pela disputa franco-alemã em 1871. Isto acarretou a perda de parte de sua terra natal tornando se uma cidade fronteiriça e viu na Primeira Guerra Mundial muitos de seus discípulos não retornarem dela. Com isto Durkheim dizia que o ambiente havia se tornado um "vazio da III República". Este vazio corresponde à ausência do ensino de religião na escola pública na tentativa de preencher com pregação patriótica a instrução moral e cívica. Ele pretendia contornar a questão social e eliminar a luta de classes, fantasmas do industrialismo.


Durkheim e suas Generalidades

Durkheim dizia que a sociedade é definida através de toda crença e todo comportamento instituído pela sociedade. Daí surge o conceito fato social, sendo algo que tem vida própria, externo aos membros da sociedade e que exerce sobre seus corações e mentes uma autoridade que os leva a agir, a pensar e a sentir de determinadas maneiras. A sociedade não é a soma de resultados de indivíduos que a compõem e sim ações e sentimentos particulares a serem associados, combinados e difundidos, mas é importante ressaltar cada individuo tem sua consciência individual e juntado a uma coletividade vai passar a ter formas especificas de pensar e agir desta massa, já se os membros deste coletivo estivessem sozinhos teriam suas próprias formas e políticas. Os movimentos coletivos, correntes de opinião são maneiras de agir. Já as regras jurídicas, morais, dogmas religiosos, etc., são maneiras de ser.

Passamos por uma socialização metódica, ou seja desde pequenos devemos seguir horários, a desenvolver certos comportamentos. Na verdade os pais acham que estão educando seus filhos como querem quando estão seguindo regras no meio social onde eles estão. Esta socialização ensina que se deve, por exemplo, trabalhar para se pagar as dívidas. Contudo a sociedade possuem valores, e estes, se quebrados, causam punições aos seus infratores. Sócrates foi um criminoso para o direito ateniense e sua condenação naquela época era considerada justa quando ele apenas queria liberdade filosófica para mostrar ao povo ateniense a nova moral e fé em que acreditava. Se Sócrates vive-se nos tempos atuais não seria acusado criminoso.

O que é importante entender que às vezes é necessário quebrar os paradigmas da sociedade para poder alcançar novos patamares. Um sociólogo deve ter uma atitude mental e comportar-se diante dos fatos da mesma maneira que o faria qualquer cientista – considerar o que se acha diante dos objetos ignorados. O homem não espera adventos da ciência social para formular idéias. Durkheim procurava aspirar a constituição de uma moral realmente científica (o progresso moral se semelhando ao progresso científico); a moral viria a ser considerada como um setor da ciência das condições das sociedades humanas ( a moral é ela própria um fato social ); a moral se confunde enfim com civilização – o povo mais civilizado é o que tem mais direitos e o progresso moral consiste no domínio crescente dos povos cuja cultura seja a mais avançada. Dentro da tradição positivista de delimitar claramente os objetos das ciências pra melhor situá-las no campo do conhecimento apontou o reino social através de métodos apropriados. Explicou: "A vida social não é outra coisa que o meio moral, ou melhor, o conjunto dos diversos meios morais que cercam o indivíduo", também esclareceu quanto os fenômenos morais, "Qualificando de morais, queremos dizer que se trata de meios constituídos pelas idéias; eles são, portanto, face às consciências individuais, como os meios físicos com relação aos organismos vivos".


Método Utilizado

Para se chegar a tal ponto, Durkheim se utilizou de um método apurado, consistindo na descrição e interpretação da realidade social. Dizendo:

"Começa-se por classificar a sociedades segundo o grau de composição que estas apresentam, tomando por base a sociedade perfeitamente simples ou de segmento único; no interior dessas classes se distinguirão as diferentes variedades conforme se produza ou não um coalescência completa dos seguimentos iniciais."

Este método é de análise multivariada (a introdução de progressivas variáveis adicionais permite aprofundar o tratamento do problemas até garantir generalizações seguras). É o que ocorre em sua monografia exemplar "La Suicide", em que Durkheim pôs a prova a noção vulgar de seu tempo de que o suicídio resultaria de uma enfermidade mental.

Diante desta posição metodológica, estritamente sociológica, ele desenvolve sua deoria adotando conceitos básicos de coerção, solidariedade, autoridade, representações coletivas, etc., está na realidade fundamentalmente preocupado com a manutenção da ordem social.


Política e trabalho

Autores como Richter e Davy conceituam o liberalismo político de Durkheim como um republicano ascendente, pois se manteve afastado dos problemas práticos da política, sendo influenciado por algumas das tendências mais importantes do Socialismo radical, provocando uma abordagem básica de "A divisão do trabalho social" nos termos de uma análise do relacionamento entre o individualismo e o socialismo.

Segundo Durkheim as mudanças sociais não aconteciam por meio de revoluções políticas, como depreendiam os socialistas. Esta transição de sociedade mecânica para orgânica, além de um processo demorado, tem caráter evolutivo, não revolucionário.

Ele assimilava os pensamentos da esquerda revolucionária socialista com os seus próprios termos, usando a sociologia na análise e na resolução da "crise contemporânea".

Uma crítica à Durkheim que pode ser feita sobre este tema é a não diferenciação de "comunismo" e "socialismo", a primeira defendia a regulação do consumo, a segunda buscava a regulação da produção.

Conclusão e os Dias Atuais

O ponto de vista de Durkheim estava embasado na seguinte premissa: não tinha negação, mas com o fim da Revolução Burguesa e com a extensão dos Direitos do Homem que passou da esfera política para as esferas econômicas e social.

Um paralelo – entre o atual contexto em que vivemos e sua opinião de que as diferenças regionais de cultura e de interesse estavam, cada vez mais, sendo erradicadas com o avanço da industrialização – pode ser feito, nos dias atuais. A tecnologia, a falta de tempo para a realização das tarefas básicas, a violência, provocam o abandono de hábitos que eram usuais (reza antes das refeições, ir de carro onde se poderia ir a pé, entre outros).

Segundo alguns estudiosos de Durkheim esta teria sido uma "previsão" do surgimento da União Européia.


Bibliografia :

Reportagem publicada no jornal Folha de São Paulo em 16 de Novembro de 1997 entitulada "Durkheim – a busca da unidade num mundo dividido"

Gabriel Cohn

Livro: Um toque de clássicos

Marx, Durkheim, Weber

2°edição revista e ampliada

Autores. Tânia Quintaneiro

Maria Lígia de Oliveira Barbosa

Márcia Gardênia Monteiro de Oliveira

Émile Durkheim

Organizador: José Albertino Rodrigues

Sociologia

5ª edição – Sociologia

Editora: Àtica

Política, Sociologia e Teoria Social

Anthony Giddens

Comentários


Páginas relacionadas