Gastos com Transporte

Autor:
Instituição: Faculdade Integração
Tema: Descontos Comerciais

DESCONTOS COMERCIAIS. GASTOS COM TRANSPORTES E OUTROS. GASTOS COM TRANSPORTES – OUTRAS OBSERVAÇÕES – REGISTRO NASFICHAS DO IVENTÁRIO PERMANENTE. DESCONTOS FINANCEIROS. AVALIAÇÕES DE ESTOQUE EM LOJAS DE DEPARTAMENTOS 

SÃO VICENTE

2002


INTRODUÇÃO

Todos os fenômenos patrimoniais precisam ser registrados e demonstrados sem exceção para que não haja distorções na apreciação desse patrimônio e dos resultados de sua movimentação.


I – Descontos Comerciais

Descontos comerciais são os concedidos pelo vendedor a favor do comprador, no ato da compra, em função de vários motivos: seja pela grande quantidade que está sendo vendida, seja porque o comprador é um cliente especial, ou, ainda, porque a empresa imprime catálogos com os preços das mercadorias e, para não altera-los, freqüentemente, faz a aplicação de porcentagens de descontos sobre os mesmos.

Esses descontos são diferentes de Abatimento. Enquanto esses são concedidos após a venda, os Descontos Comerciais já são contratados no ato da venda, quando ficam conhecidos em seu montante.

O procedimento mais comum é seu não-registro na contabilidade do comprador e do vendedor, com o registro da compra e de venda diretamente pelo valor líquido.

Caso haja necessidade ou interesse da empresa em deixar registrados tais Descontos Comerciais, o procedimento será da mesma forma que no caso das Devoluções e dos Abatimentos, com a abertura de contas específicas de descontos Comerciais sobre Vendas ou Descontos Comerciais Concedidos, para o vendedor, e Descontos Comerciais sobre Compras ou Descontos Comerciais Obtidos, para o Comprador.


II – Gastos com Transportes e Outros

O custo real de uma mercadoria adquirida não é somente o constante da nota fiscal, mas o resultante da soma deste com todos os gastos necessários para a colocação do produto em condições de venda. Normalmente, serão os custos de frete e seguros os que aparecerão com maior freqüência.

Seu registro é feito normalmente a débito da conta própria.

Gastos com Transportes em Compras

a Caixa (ou Contas a Pagar)

No inventário periódico, esta conta irá, no encerramento, aumentar o saldo de Compras, e na Demonstração de Resultados na forma dedutiva, aumentará o total das Compras. Exemplo:

 

Transportes Sobre Compras Compras Mercadorias

3.500

3.500 (b)

135.000

7.000 (c)

18.000

18.000 (a)

(b) 3.500

(e) 9.000

(b) 138.500

7.000

131.500

131.500 (d)

 

Devoluções e Abatimentos sobre Compras CMV

(c) 7.000

7.000

(a) 18.000

9.000 (e) (EF)

(d) 131.500

149.500

9.000

140.500

Na Demonstração de Resultado (dedutiva):

(-) Custo Mercadorias Vendidas

Estoque Inicial 18.000

(+) Compras 135.000

(+) Transportes 3.500

Soma 138.500

(-) Devolução e Abatimentos (7.000) 131.500

Mercadorias Disponíveis para Vendas 149.500

(-) Estoque Final (9.000) (140.500) = CMV

No caso de gastos com Transportes e outros nas Compras, não há dúvidas quanto ao tratamento adequado, que será o apresentado.

No caso, entretanto, de Despesas com Transportes nas Vendas, devem ser lançadas como despesas normais do período, a serem computadas na apuração do resultado líquido.

A contabilização, nesse caso, ficará:

Despesas com Trasportes/Vendas

a Caixa (ou Contas a Pagar)

Observações – Quando há gastos com transportes e outros a ordenar o valor das Compras, sugere um problema referente ao levantamento do Estoque Final de Mercadorias.

É necessário que nesse valor de Estoque Final sejam computados os gastos mencionados relativos a essas mercadorias. Se o inventario final for avaliado apenas por seu valor de fatura (de compras), aqueles gastos seriam dados como pertencentes às mercadorias vendidas.

Exemplo: se numa empresa existir:

Estoque Inicial – R$ 5.000

Compras – R$ 45.000

Transporte em Compras – R$ 9.000

Estoque Final (pelo preço de compra) – R$ 10.000

(Notar que no Estoque Final não foram computados os gastos com Transporte das Compras.)

Sabemos que esse valor final de Mercadorias também está onerado; os gastos com os transportes das compras afetaram R$ 45.000 de mercadorias. Se apurarmos, por exemplo, que os R$ 10.000 existentes agora fazem parte dessas compras, necessitamos de uma divisão proporcional: as mercadorias compradas e vendidas devem arcar com parte dos gastos, e as mercadorias compradas e ainda estocadas, com outra parte. Assim, o valor exato do estoque final é igual aos R$ 10.000 apurados, mais R$ 2.000 de despesas com transporte.

O custo das Mercadorias Vendidas assim ficará:

Estoque Inicial 5.000

(+) Compras Líquidas

Compras 45.000

(+) Transporte 9.000 54.000 59.000

(-) Estoque Final (12.000)

CMV 47.000

Essa observação também é válida para os Abatimentos e Descontos Comerciais sobre Compras.

No caso do inventário permanente, pode-se abrir também uma conta específica, mas ela precisa ser encerrada mensalmente:

Mercadorias

a Gastos com Transportes em Compras

1) Gastos com Transporte – Outras Observações – Registro nas Fichas do Inventário Permanente

Os Gastos com Transporte, Seguros e outros nas Compras devem ser somados ao custo de faturadas mercadorias para lançamento na ficha de controle, já pelo total; como isto nem sempre é possível, pode-se deixar para inclusão posterior, quando se produzirá aumento na coluna Entrada somente em valores.

As Despesas com Transporte nas Vendas, da mesma forma como Abatimentos, não são registradas na ficha, já que não alteram o Estoque e nem CMV.


III – Descontos Financeiros

Os Descontos Financeiros são os prêmios oferecidos pelo vendedor ao comprador, por um pagamento antecipado de dívidas assumidas com transação de Mercadorias. Por exemplo, o vendedor indica, na nota fiscal, ou duplicata, que o valor da dívida é "X", e que será cobrada, dentro de 90 dias, por seu próprio valor; paga dentro de 60 dias, o comprador terá um desconto de 3% e, se dentro de 30 dias 5%. Essas porcentagens variam de acordo com o interesse do credor em receber com antecipação, bem como variam também as condições, sendo que há os que concedem, inclusive, desconto a favor dos que fazem o pagamento no próprio dia de vencimento.

Se o valor da venda for de R$ 10.000, para pagamento em 60 dias, com 5% de desconto se o pagamento for em 30 dias, e o cliente aproveitar tal prêmio, a contabilização assim ficará

No Comprador:

Fornecedores

a Diversos

a Caixa 9.500

a Descontos Financeiros Obtidos 500 10.000

No Vendedor

Diversos

a Clientes

Caixa 9.500

Descontos Financeiros Concedidos 500 10.000

Devem ser abertas contas especiais para os Descontos Financeiros Obtidos e Concedidos. Quanto ao tratamento para elas, há grandes divergências. Muitos autores deduzem tais descontos dos valores de Vendas e de Compras, exatamente como fizemos com Devoluções, Abatimentos e Descontos Comerciais.

Normalmente seus saldos são transferidos diretamente para a conta Resultado, e a demonstração dedutiva ficará:

Vendas 10.000

(-) Custo Mercadorias Vendidas (7.000)

Lucro Bruto 3.000

(+) Descontos Financeiros Obtidos 340

Soma 3.340

Menos:

Descontos Financeiros Concedidos (50)

Despesas Diversas (190) (240)

Lucro Líquido 3.100

Esse tratamento é o mais utilizado no Brasil, inclusive por exigência fiscal.

Mais recentemente vem crescendo, no Brasil, o uso de valores presentes para registro das compras e vendas. Ou seja, as compras a prazo seriam registradas não pelo seu valor a pagar contratado, mas por seu valor atual (como se fosse a vista);a diferença seria tratada como despesa financeira (pelo regime de competência).

As Vendas também seriam, no caso de a prazo, registradas por seu valor presente (como se fosse a vista), e a diferença seria contabilizada como receita financeira (pelo regime de competência).


IV– Avaliações de Estoque em Lojas de Departamentos

As grandes lojas de departamentos têm em seu estoque grande variedade de mercadorias, o que causa grande dificuldade de controle, mesmo porque a maioria destas mercadorias pode ser de valor unitário não muito grande.

Um sistema que poderia ser utilizado seria o de uma variante do Preço Específico.

A empresa coloca etiqueta com o preço de venda em todas as mercadorias, sendo que esse preço de venda é calculado da seguinte forma:

Preço de Custo + Lucro Bruto = Preço de Venda

O Lucro Bruto é uma porcentagem fixa sobre o preço de venda ou custo. Por exemplo, compramos facas por R$ 10,00 a unidade. A porcentagem de Lucro Bruto escolhida é de 25% sobre o custo. Então, o valor de venda, na etiqueta, será de R$ 12,50.

No dia da apuração, simplesmente contamos as unidades de faca, somamos seus valores de venda e temos o valor do Estoque Final. Se temos como soma total dos preços de venda de facas R$ 375,00, preço atribuído com acréscimo de 25% sobre o custo, calculamos:

125% correspondente a R$ 375,00

logo,

100% corresponde a X

de onde temos X = Valor do Estoque Final = R$ 300,00 (pelo custo).

Pode-se calcular de outra forma: se o valor da venda é igual ao custo = 25% sobre o custo, conclui-se que o valor de custo corresponderá a 80% do valor de venda.

EF = 80% do valor de venda – 80% de R$ 375,00

EF = R$ 300,00

Em tal sistema, há necessidade de um registro sempre constante do valor da venda, isto é, o valor de venda de uma mercadoria ou grupo de mercadorias deve ser baseado numa porcentagem fixa de lucro bruto. Pode-se utilizae, para Departamento A, o Lucro Bruto de 30% sobre o custo, para o Departamento B, 35% etc., e as vendas terão que ser registradas em contas especiais, separadas para cada departamento.

Quando houver necessidade de remarcação, faz-se uso do Desconto Comercial. Por exemplo, se no Departamento A estão sendo vendidas mercadorias com acréscimo de 30% sobre o custo, mas um item especial, digamos, camisa de linho, deve ser vendido com acréscimo de apenas 18%, em virtude dos preços da praça, registraremos, na conta de Venda do Departamento A, a venda pelo valor preestabelecido com a faixa normal e, na conta de Desconto Comercial sobre Vendas, a diferença entre este preço e o real. Se as camisas foram compradas por R$ 20,00, acrescemos 30% (R$6,00) e teremos um valor de venda de R$ 26,00 (acréscimo de 18%), faremos o seguinte registro:

a débito de Caixa ou outro ativo – R$ 23,60;

a crédito de Vendas – Departamento A – R$ 26,00;

a débito de Descontos Comerciais s/ Vendas – R$ 2,40.

Dessa maneira, teremos a possibilidade de continuar aplicando a porcentagem devida sobre o saldo da conta de Vendas, para se obter o custo das Mercadorias Vendidas e conhecermos, então, o Estoque Final. Na Demonstração do Resultado do período, aparecerá o valor líquido das vendas, o custo real e o lucro bruto obtido.

Para empresas demasiadamente complexas, há outras fórmulas que, menos rigorosas e baseadas em médias de acréscimos e remarcações para mais ou para menos sobre os valores originais, dão valores de custo das mercadorias vendidas e estoque final pelos preços de custo bem mais rapidamente. São fórmulas que chegam a valores aproximados, sem a exatidão do critério explanado, mas de grande uso, pela facilidade de aplicação.


VI – BIBLIOGRAFIA

EQUIPE DE PROFESSORES DA FEA/USP

IUDICIUS, Sergio; MARTINS, Eliseu ; KANITZ, Stephem Charles; RAMOS, Alkindar de Toledo; CASTILHO, Edison; BENATTI, Luiz; FILHO WEBER, Eduardo e FILHO DOMINGOS , Ramon.

Contabilidade Introdutória. 9º Edição. Atlas. São Paulo. 1998

Comentários