Amigo Nerd.net

CONTABILIZAÇÃO DOS FATOS CONTÁBEIS INICIAIS

Autor:
Instituição:
Tema: CONTABILIZAÇÃO DOS FATOS CONTÁBEIS INICIAIS

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO
CIENCIAS CONTABEIS

CONTABILIZAÇÃO DOS FATOS CONTÁBEIS INICIAIS

SUMÁRIO

1- INTRODUÇÃO

2 – CONTEÚDO

2.1 – Plano de Contas

2.2 – Livros Contábeis

2.3 – Registro dos Fatos Contábeis

2.3.1 – Registro no Livro Diário

2.3.2 – Registro no Livro Razão

2.3.3 – Balancete de Verificação

3 – CONCLUSÃO

4- BIBLIOGRAFIA

INTRODUÇÃO

A informação contábil é uma ferramenta extremamente importante para o sucesso empresarial, mais não deve apenas se restringir ao atendimento das determinações legais, pois mais que a legalidade, a informação contábil deve contribuir decisivamente para a tomada de decisão pelos gestores da empresa, bem como dos outros usuários interessados nas informações como governo, acionistas, investidores, empregados, sócios, diretores. Assim, tornam-se necessários proporcionar informações que satisfaçam efetivamente esses usuários.

No atual momento econômico vivido pela humanidade e denominado de globalização, urge cada vez mais que o atender os usuários em todos os objetivos pretendidos e que o produto do sistema seja uma informação de qualidade, concisa, precisa, relevante que permitam ganho de competitividade daqueles que a utilizam.
Hoje em dia, toda empresa dever-se ter um planejamento determinado com algumas diretrizes, definindo suas responsabilidades, sua política de segurança, seus riscos, desenvolvimento de um plano de contingência.

PLANO DE CONTAS

O Plano de Contas é o conjunto de contas, previamente estabelecido, que norteia os trabalhos contábeis de registro dos fatos e ato inerentes á entidade, além de servir de parâmetro para a elaboração das demonstrações contábeis.
Seu principal objetivo é estabelecer normas de conduta para o registro das operações da empresa e, na sua montagem, devem ser levados em conta três objetivos fundamentais:
- Atender as necessidades de informação da administração da empresa;
- Observar formato compatível com os princípios de contabilidade e com a norma legal de elaboração do Balanço Patrimonial e das demais Demonstrações Contábeis ( Lei das S/A – 6404/76 ).
- Adaptar-se tanto quanto possível ás exigências dos agentes externos, principalmente ás da legislação do Imposto de Renda.

O Plano varia de acordo com o tipo de cada empresa e não pode ser rígido e inflexível, devendo permitir as alterações que se mostrarem necessários por ocasião de sua utilização.

No caso de empresa prestadoras de serviços, uma das principais vantagens de um bom Plano de Contas, é ter um controle sobre as informações que dizem respeito sobre os custos e as receitas de serviços. É através dessas informações que o gestor da empresa irá utilizar os dados para controle e decisão.

Através de um Plano de Contas pode-se ter um controle e monitoramento dos custos dos serviços e seu impacto nos resultados.
O Plano de Contas é a estrutura básica da escrituração contábil, pois é com sua utilização que se estabelece o banco de dados com informações para geração de todos os relatórios e livros contábeis.

Cada empresa, de acordo com sua atividade e seu tamanho (Micro, Pequena, Média ou Grande), deve ter seu próprio Plano de Contas.

LIVROS CONTÁBEIS

O controle contábil das empresas começa com a escrituração dos eventos no Livro Diário, completando-se, depois, nos demais livros de escrituração.

Para registrar os fatos contábeis ocorridos em seu patrimônio, bem como para atender ás exigências legais e fiscais, as empresas utilizam vários livros, sendo que os principais são o Livro Diário e o Livro Razão.

O QUE DEVE CONTER:

RAZÃO – Deverá conter todos os registros contábeis, organizados por conta e cronologicamente registrados;
DIÁRIO – Deverá conter todos os registros contábeis, dia a dia, que modifiquem ou possam vir a modificar a situação patrimonial da empresa;

OBRIGATORIEDADE LEGAL:

RAZÃO – Segundo o Decreto 3000/99 – Art. 259 – Toda empresa tributada com base no Lucro Real deverá manter, em boa ordem e segundo as normas contábeis recomendadas, Livro Razão ou fichas utilizadas para resumir e totalizar, por conta ou subconta, os lançamentos efetuados no Diário, mantidas as demais exigências e condições previstas na legislação;
DIÁRIO – Lei 486/69: Art. 5º - É obrigatório o uso do livro Diário; Lei 10406/2002: Art. 118 – Além dos demais livros exigidos por lei, é indispensável o Diário;

REGISTRO DOS FATOS:

RAZÃO – A escrituração deverá ser individualizada, obedecendo á ordem cronológica das operações;
DIÁRIO – A escrituração dos fatos contábeis é feita em ordem rigorosamente cronológica do dia, mês e ano;

DISPENSA DA ESCRITURAÇÃO:

RAZÃO – Não existe a hipótese de dispensa de escrituração; As ME e EPP, são dispensadas de escrituração apenas para fins de comprovação junto ao Fisco Federal;
DIÁRIO – Assim como foi falado anteriormente, no caso do Livro Diário, também não existe a hipótese de dispensa de escrituração; Com relação as Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, estão dispensadas de escrituração, apenas para fins de fiscalização junto ao Fisco Federal;

FORMALIDADES:

RAZÃO – A escrituração deverá ser individualizada, obedecendo á ordem cronológica das operações. A não manutenção do livro, nas condições determinadas pela legislação, implicará o arbitramento do lucro da pessoa jurídica;

DIÁRIO – O registro no Livro Diário deverá conter: local e data, conta devedora, conta credora, histórico e valor;

REGISTRO:

RAZÃO – Estão dispensados de registro ou autenticação o Livro Razão ou fichas Razão;
DIÁRIO – Lei 10406/2002: Art. 1181 – O Livro Diário deverá ser autenticado no Registro Público de Empresas Mercantis, ou nas Juntas Comerciais;

LIVRO DIÁRIO

Podemos dizer que o Livro Diário é a “ memória” da vida da empresa, apresentando por ordem cronológica, todos os fatos e atos que modificam ou alteram a situação patrimonial da empresa.

O Livro Diário constitui o registro básico de toda a escrituração contábil e, por isso mesmo, a sua utilização é indispensável. É obrigatório pelo legislação comercial e tem a finalidade de demonstrar a movimentação analítica das contas escrituradas no Diário e constantes do Balanço.

Livro obrigatório ( exigido por Lei ), registra os fatos contábeis em partidas dobradas na ordem rigorosamente cronológica do dia, mês e ano. O Livro deverá ser encadernado com folhas numeradas e deve conter termos de abertura e encerramento, e ser submetido á autenticação da Junta Comercial.

LIVRO RAZÃO

Consiste no agrupamento de valores em contas de mesma natureza e de forma racional. Em outras palavras, o registro no Razão é realizado em contas individualizadas; assim, teremos um controle por conta.

A principio, o Razão só existia em forma de Livros, onde, para cada página, se atribuía o titulo de uma conta. Tínhamos, então, uma pagina para o Caixa, outra para Bancos-Conta Movimento, outra para Duplicatas a Receber, outra para Estoque e assim sucessivamente. Com o passar do tempo, as folhas avulsas foram substituindo ás paginas do livro. Hoje, é muito comum as fichas Razão, dado ao aspecto prático exigido pela Contabilidade mecanizada. Para cada conta, deverá haver pelo menos uma ficha Razão.

O Razão, portanto, engloba as Contas Patrimoniais ( as Contas de Balanço – também conhecidas como contas integrais ) e as Contas de Resultado ( as Contas de Receitas e Despesas – também conhecidas como contas diferenciais).

Por muito tempo o Livro Razão foi facultativo. Hoje é obrigatório em todas as empresas tributadas pelo Lucro Real. É um instrumento valioso para medir o desempenho da empresa.

O Livro Razão é obrigatório pela legislação comercial e tem a finalidade de demonstrar a movimentação analítica das contas escrituradas no Diário e constante do Balanço.

É um Livro que registra todos os fatos, só que dando ênfase ás contas que compõem o patrimônio. É através do Livro Razão que permite ter conhecimento sobre a movimentação de débito e crédito de cada elemento que compõe o patrimônio da empresa.

Tornou-se obrigatória, para as pessoas jurídicas tributadas com base no Lucro Real, a escrituração e a manutenção do Livro Razão ou fichas utilizadas para resumir e totalizar os lançamentos efetuados no Diário. A escrituração deverá ser individualizada, obedecendo-se a ordem cronológica das operações.
O Livro Razão ou as respectivas fichas estão dispensadas de registro ou autenticação em qualquer órgão. Entretanto, na escrituração deverão ser obedecidas as regras da legislação comercial e fiscal aplicáveis aos lançamentos em geral.

Fazer os lançamentos no Livro Diário e Livro Razão e levantar o Balancete de Verificação, referentes a empresa prestadora de serviços, cujos fatos devem ser extraídos do texto a seguir:
O Sr. Luciano Tognato e a Sra. Nayanna Vieira se reuniram em 01 de agosto de 2007 e resolveram constituir uma sociedade comercial com o ramo de prestação de serviços de consertos em equipamentos agrícolas. No dia 03 de agosto de 2007 assinaram o contrato social que entre outras cláusulas constava o capital social de R$20.000,00 para o sócio Luciano Tognato e R$30.000,00 para a sócia Nayanna Vieira e entregaram ao contador Glauber Miranda para registro nos órgãos públicos competentes. No dia 13 de agosto de 2007, com a informação de que a empresa estava devidamente registrada e podia operar, os sócios integralizaram o capital (transferiram seus recursos da conta particular para a conta da empresa) nos seguintes valores: o sócio Luciano Tognato, R$15.000,00 entregou em dinheiro na empresa e a sócia Nayanna Vieira R$10.000,00 depositou na conta da empresa no Banco do Brasil SIA. No dia 14 de agosto de 2007 foi adquirido a
prazo em 24 vezes mensais iguais sem entrada e sem juros, as máquinas e ferramentas que serão utilizadas na atividade: Máquinas no valor de R$8.000,00 e Ferramentas no valor de R$4.000,00. No dia 17 de agosto de 2007 foi pago em cheque ao contador as despesas referentes a abertura da empresa, elaboração do contrato social e outras taxas no valor total de R$500,00. No dia 20 de agosto de 2007 comprou-se os materiais no valor de R$2.000,00 que serão utilizados posteriormente na prestação dos serviços, pagando metade a vista em dinheiro e o restante será pago com 30 dias. Em 27 de agosto de 2007 foi adquirido à vista, em dinheiro móveis que serão utilizados pela administração no valor de R$2.000,O0. Em 30 de agosto de 2007 foi feito um depósito no Banco do Brasil S/A de dinheiro que estava no caixa no valor de R$10.000,00. Em 31 de agosto de 2007 foram contratados os seguinte empregados: Os mecânicos, Julio Cesar Aquino e Welvis Ferreira, com o salário contratual mensal de R$1 .200,00; os assistentes de mecânicos, José Wilson Pereira e Joselito Carvalho, com o salário contratual mensal de R$800,00; a secretária Simone Moura, com o salário contratual mensal de R$900,00; a assistente de finanças Lucivanda Cruz, com o salário contratual mensal de R$1.000,00. Todos os empregados começarão a trabalhar em 03 de setembro de 2007.

REGISTRO DOS FATOS CONTÁBEIS

LANÇAMENTOS NO LIVRO DIÁRIO

LANÇAMENTOS NO LIVRO RAZÃO


BALANCETE DE VERIFICAÇÃO – 31/08/2007


CONCLUSÃO

Para sobreviver nesse novo ambiente, de globalização, os gestores das empresas necessitam de informações que permitam gerenciar os custos dos serviços prestados, e, sobretudo, as expectativas dos clientes e da flexibilidade dos processos, para reforçar ações que satisfaçam os imperativos da hipercompetição global, permitindo á organização definir a estratégia, os processos e os indicadores de desempenho, de modo a criar valor para o cliente.

Qualquer tipo, de empresa, independentemente de seu porte ou natureza Jurídica, necessita manter escrituração contábil completa, para controlar o seu patrimônio e gerenciar adequadamente os seus negócios.

BIBLIOGRAFIA

http://pt.wikipedia.org/wiki/Contas_cont%C3%A1beis

http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade008.asp

http://www.contadorperito.com/espaco_do_contabilista81.htm

http://www.receita.fazenda.gov.br/PessoaJuridica/DIPJ/2005/PergResp2005/pr288a297.htm

http://www.balcaodeconcursos.com.br/livro.asp?cod=2520

Comentários


Páginas relacionadas