O Campo e a Abordagem Antropológica

Autor:
Instituição: Uni - Anhanguera
Tema: Antropologia Jurídica

O CAMPO E A ABORDAGEM ANTROPOLÓGICOS


PRIMEIRA PARTE:

O CAMPO E A ABORDAGEM ANTROPOLÓGICOS

A reflexão do homem sobre o homem e sua sociedade, e a elaboração de um saber são tão antigos quanto a sociedade. Mas o projeto de fundar uma ciência do homem – uma antropologia – é muito recente. No final do século XVIII é que começa a se constituir um saber científico que toma o homem como objeto de conhecimento.

Segunda metade do séc. XIX, a antropologia se atribui objetos empíricos autônomos: as sociedades "primitivas", ou seja, exteriores às áreas de civilizações européias ou norte-americanas. A ciência, na época, supõe uma dualidade radical entre o observador e seu objeto. A separação entre o sujeito observante e o sujeito observado constituirá, na antropologia, por muito tempo, em uma distância geográfica. As sociedades estudadas são longínquas, de dimensões restritas, que tiveram poucos contatos com os grupos vizinhos, cuja tecnologia é pouco desenvolvida em relação à nossa e nas quais há uma menor especialização das atividades e funções sociais.

No início do século XX – a antropologia percebe que o objeto empírico que tinha escolhido está desaparecendo. Ela se vê confrontada a uma crise de identidade. O objeto teórico da antropologia não está ligado, na perspectiva na qual começamos a nos situar a partir de agora, a um espaço geográfico, cultural ou histórico particular. A antropologia não é senão um certo olhar, um certo enfoque que consiste em:

  • o estudo do homem inteiro;
  • o estudo do homem em todas as sociedades, sob todas as latitudes em todos os seus estados e em todas as épocas.


O ESTUDO DO HOMEM INTEIRO

Só poder ser considerada como antropológica uma abordagem integrativa que objetive levar em consideração as múltiplas dimensões do ser humano em sociedade. Uma das vocações maiores de nossa abordagem consiste em não parcelar o homem, mas em tentar relacionar campos de investigação freqüentemente separados. Existem cinco áreas principais da antropologia que o pesquisador deve estar sensibilizado quando trabalha de forma profissional em algumas delas, dado que essas áreas mentem relações entre si.

Antropologia biológica (antigamente era antropologia física) consiste no estudo das variações dos caracteres biológicos do homem no espaço e no tempo. Sua problemática é a das relações entre o patrimônio genético e o meio (geográfico, ecológico, social), analisa as particularidades morfológicas e fisiológicas ligadas a um meio ambiente, a evolução. Interessa-se, desde os anos 50, pela genética das populações, que permite discernir o que diz respeito ao inato e ao adquirido, sendo que um e outro estão interagindo continuamente.

Antropologia pré-histórica – é o estudo do homem através dos vestígios materiais enterrados no solo. Visa reconstituir as sociedades desaparecidas, tanto em suas técnicas e organizações sociais, quanto em suas produções culturais e artísticas.

Antropologia lingüística – A linguagem é parte do patrimônio cultural de uma sociedade e permite compreender:

  • como os homens pensam, os que vivem e o que sentem, isto é, suas categorias psicoafetivas e psicocognitivas;
  • como eles expressam o universo e o social;
  • como interpretam seus próprios saber e saber-fazer.

Antropologia psicológica – consiste no estudo dos processos e do financiamento do psiquismo humano. Somente através dos comportamentos – conscientes e inconscientes – dos seres humanos particulares podemos aprender essa totalidade sem a qual não é antropologia.

Antropologia social e cultural – (etnologia) – termo da antropologia mais genérico. Diz respeito a tudo que constitui uma sociedade: seus modos de produção econômica, suas técnicas, sua organização política e jurídica, seus sistemas de parentesco, seus sistemas de conhecimento, suas crenças religiosas, sua língua, sua psicologia, suas criações artísticas.


O ESTUDO DO HOMEM EM SUA DIVERSIDADE

A antropologia é o estudo de todas as sociedades humanas, ou seja, das culturas da humanidade como um todo em suas diversidades históricas e geográficas. Presos a uma única cultura somos não apenas cegos à dos outros, mas míopes quando se trata da nossa. Aos poucos, notamos que o menor dos nossos comportamentos (gestos, mímicas, posturas, reações afetivas) não tem nada de "natural". Começamos a nos surpreender com aquilo que diz respeito a nós mesmos, a nos espiar. O conhecimento (antropológico) da nossa cultura passa inevitavelmente pelo conhecimento das outras culturas.

O projeto antropológico consiste no reconhecimento, conhecimento, juntamente com a compreensão de uma humanidade plural.

A abordagem antropológica implica um descentramento radical, uma ruptura com a idéia de que existe um "centro do mundo", e, correlativamente, uma ampliação do saber e uma mutação se si mesmo.

A descoberta da alteridade é a de uma relação que nos permite deixar de identificar nossa pequena província de humanidade com a humanidade, e deixar de rejeitar o presumido "selvagem" fora de nós mesmos. Confrontados à multiplicidade das culturas, somos levados a romper com a abordagem comum que opera sempre a naturalização do social (como se os nossos comportamentos estivessem inscritos em nós desde o nascimento, e não fossem adquiridos com a cultura na qual nascemos) a romper com o humanismo clássico que consiste na identificação do sujeito com ele mesmo, e da cultura com a nossa cultura.

O pensamento antropológico considera que, assim como uma civilização adulta deve aceitar que seus membros se tornem adultos, ela deve igualmente aceitar a diversidade das culturas, também adultas.


DIFICULDADES

A família dos antropólogos é muito dividida, quando se trata de dar conta (aos interessados, aos seus colegas, aos estudantes, a si mesmo e de forma geral a todos aqueles que têm o direito de saber o que verdadeiramente fazem os antropólogos) dessa unidade múltipla, desses materiais e dessas experiências.

1 - Nível das palavras. Etnologia ou antropologia?

  • Etnologia (tradição terminológica francesa) – pluralidade irredutível das etnias, isto é, das culturas.
  • Antropologia (países anglo-saxônicos) – unidade do gênero humano.
  • Antropologia social – estudo das instituições.
  • Antropologia cultural – estudo dos comportamentos.

2 - Grau de cientificidade que convém atribuir à antropologia. O homem está em condições de estudar cientificamente o homem, isto é, um objeto que é de mesma natureza que o sujeito?

3 - Reação ambígua que a antropologia mantém desde sua gênese com a história. Essa preocupação de separação entre as abordagens histórica e antropológica está longe de ser unânime, e a história recente da antropologia testemunha também um desejo de coabitação entre as disciplinas.

4 - O fato de que nossa prática oscila sem parar entre a pesquisa que se pode qualificar de fundamental e aquilo que é designado sob o termo de "antropologia aplicada". Antropologia aplicada, deve-se colocar " à serviço da revolução". O pesquisador torna-se um militante, um "antropólogo revolucionário", contribuindo na construção de uma "antropologia da liberação".

Pesquisa fundamental - o saber científico sobre o homem ainda se encontrava num estágio extremamente primitivo em relação ao saber sobre a natureza (Claude Servi-Straus).

O fato da diversidade das ideologias sucessivamente definidas são altera nada quanto ao âmago do problema, que é o seguinte: o antropólogo deve contribuir, enquanto antropólogo, para a transformação das sociedades que ele estuda?

A questão que está hoje colocada para qualquer antropólogo é a seguinte: há uma possibilidade em minha sociedade permitindo-lhe o acesso a um estágio de sociedade industrial (ou pós-industrial) sem conflito dramático, sem risco de despersonalização?

A participação do antropólogo naquilo que é hoje a vanguarda do anticolonialismo e da luta para os direitos humanos das minorias étnicas é uma conseqüência de nossa profissão, mas não é a nossa profissão propriamente dita.

A pesquisa antropológica tem hoje como vocação maior a de propor não soluções, mas instrumentos de investigação que poderão ser utilizados em especial para reagir ao chove da aculturação, isto é, ao risco de um desenvolvimento conflituoso levando à violência negadora das particularidades econômicas, sociais, culturais de um povo.

5 - A natureza desta obra que deve apresentar um campo de pesquisa imenso, cujo desenvolvimento recente é extremamente especializado.

A pré-história da Antropologia: a descoberta das diferenças pelos viajantes do séc. XVI e a dupla resposta ideológica dada daquela época até nossos dias.

A gêneses da reflexão antropológica é contemporânica à descoberta do Novo Mundo. O Renascimento explora espaços até estão desconhecidos e começa a elaborar discursos sobre os habitantes que povoam aqueles espaços. A grande questão que então colocada, e que nasce desse primeiro confronto visual com a alteridade, é a seguinte: aqueles que acabaram de serem descobertos pertencem à humanidade?


A FIGURA DO MAU SELVAGEM E DO BOM CIVILIZADO.

A extrema diversidade das sociedades humanas raramente apareceu aos homens como um fato, e sim como uma aberração exigindo uma justificação.

Essa atitude, que consiste em expulsar da cultura, isto é, para a natureza todos aqueles que não participam da faixa de humanidade à qual pertencemos e com a qual nos identificamos é a mais comum a toda a humanidade, e, em especial, a mais característica dos selvagens.

- Critérios utilizados a partir do séc. XIV pelos europeus para julgar se convém conferir aos índios em estatuo humano, além do critério religioso:

  • A aparência física: eles estão nus ou "vestidos com pele de animais";
  • Os comportamentos alimentares: eles "comem carne crua", e é todo o imaginário do canibalismo que irá aqui se elaborar;
  • A inteligência tal como pode ser apreendida a partir da linguagem: eles falam "uma língua ininteligível".

Assim, não acreditando em Deus, não tendo alma, não tendo acesso à linguagem, sendo assustadoramente feio e alimentando-se como um animal, o selvagem é repreendido nos modos do vestuário. E esse discurso sobre a alteridade, que recorre constantemente à metáfora zoológica, abre o grande leque das ausências: sem moral, sem religião, sem lei, sem escrita, sem Estado, sem consciência, sem razão, sem objetivo, sem arte, sem passado, sem futuro.

A África, e, em especial, a África profunda do interior onde a civilização nessa época ainda não penetrou, que representa para o filósofo a forma mais nitidamente inferior entre todas nessa infra-humanidade.

Tudo, na África, é nitidamente visto sob o signo da falta absoluta: "os negros" não respeitam nada, nem mesmo eles próprios, já que comem carne humana e fazem comércio da "carne" de seus próximos.


A FIGURA DO BOM SELVAGEM E DO MAU CIVILIZADO

A figura de uma natureza má na qual vegeta um selvagem embrutecido é eminentemente suscetível de se transformarem sem oposto: a da boa natureza dispensando suas benfeitorias à um selvagem feliz. Os termos da atribuição permanecem rigorosamente idênticos, da mesma forma que o par constituído pelo sujeito do discurso (o civilizado) e seu objeto. (o natural). Mas efetua-se dessa vez a inversão daquilo que era aprendido como um vazio que se torna cheio (ou plenitude), daquilo que era aprendido como um menos que se torna mais. A figura do bom selvagem só encontrará sua formulação mais sistemática e mais radical dois séculos após o Renascimento, no Rousseauísmo do século XVIII, e em seguida no Romantismo.

A imagem que o ocidental se fez da alteridade (e correlativamente de si mesmo) não parou de oscilar entre os pólos de um verdadeiro movimento pendular. Pensou-se alternativamente que o selvagem:

  • era um monstro, um "animal com figura humana", a meio caminho entre a animalidade e a humanidade, mas também que os monstros éramos nós, sendo que eles tinham lições de humanidade a nos dar;
  • levara uma existência infeliz e miserável, ou pelo contrário, vivia num estado de bealtitude, adquirindo sem esforços os produtos maravilhosos da natureza, enquanto que o ocidente era, por sua vez, obrigado a assumir as duras tarefas da indústria;
  • era trabalhador e corajoso, aí essencialmente preguiçoso;
  • não tinha alma e não acreditava em nenhum deus, ou era profundamente religioso;
  • vivia num eterno pavor do sobrenatural, ou, ao inverso, na paz e na harmonia;
  • era um anarquista sempre pronto a massacrar seus semelhantes, ou um comunista decidido a tudo compartilhar, até, e, inclusive, suas próprias mulheres;
  • era admiravelmente bonito, ou feio;
  • era movido por uma impulsividade criminalmente congênita quando era legítimo temer, o devia ser considerado como uma criança precisando de proteção;
  • era um embrutecido sexual levando uma vida de orgia e devassidão permanente, ou, pelo contrário, um ser preso, obedecendo estritamente aos tabus e às proibições de seu grupo;
  • será atrasado, estúpido e de uma simplicidade brutal, ou profundamente virtuoso e eminentemente complexo;
  • era um animal, um "vegetal", uma "coisa", um "objeto sem valor", ou participava, pelo contrário, de uma humanidade da qual tinha tudo como aprender.


O SÉCULO XVIII: A INVENÇÃO DO CONCEITO DE HOMEM

Século XVIII, funda-se uma ciência do homem, isto é, de um saber não mais exclusivamente especulativo, e sim positivo sobre o homem.

O projeto antropológico supõe:

  • a construção de um certo número de conceitos, começando pelo próprio conceito de homem, não apenas enquanto sujeito, mas enquanto objeto do saber.
  • a constituição de um saber que não seja apenas de reflexão, e sim de observação, isto é, de um novo modo de acesso ao homem, que passa a ser considerado em sua existência concreta, envolvida nas determinações de seu organismo de suas relações de produção, de sua linguagem, de suas instituições, de seus comportamentos. Assim começa a constituição dessa positividade de um saber empírico sobre o homem enquanto ser vivo que trabalha, pensa e fala.
  • uma problemática essencial: a da diferença. Ruptura com o pensamento do mesmo, e a constituição da idéia de que a linguagem nos precede, pois somos anteriores a ela.
  • um método de observação e análise: o método indutivo. Os grupos sociais (que começam a ser comparados a organismos vivos, podem ser considerados como sistemas "naturais" que devem ser estudados empiricamente, a partir da observação de fatos, a fim de extrair princípios gerais, que hoje chamaríamos de leis).

Esse projeto de um conhecimento positivo do homem, isto é, de um estudo de sua existência empírica considerada por sua vez como objeto do saber, constitui um evento considerável na história da humanidade que mudou radicalmente desde o século XVI:

1) trata-se em primeiro lugar da natureza dos objetos observados. Os relatos dos viajantes dos séculos XVI e XVII eram mais uma busca cosmográfica do que uma pesquisa etmográfica.

2) Simultaneamente, o destaque se desloca pouco a pouco do objeto de estudo para a atividade epistemológica, que se torna cada vez mais organizada. Os viajantes dos séculos XVI e XVII coletavam "curiosidades". Não basta mais observar, é preciso processar a observação. Não basta mais interpretar o que é observado, é preciso interpretar interpretações.

O cientista naturalista deve ser ele próprio testemunha ocular do que observa, pois a nova ciência – qualificada de "ciência do homem" ou "ciência natural" - é uma "ciência de observação", devendo o observador participar da própria existência dos grupos sociais observados.

O obstáculo maior ao advento de uma antropologia científica está ligado a dois motivos essenciais:

1 - a distinção entre o saber científico e o saber filosófico, mesmo sendo abordada, não é de forma alguma realizada.

Pesquisa antropológica – para esta, o objeto de observação não é o "homem", e sim indivíduos que pertencem a uma época e a uma cultura, e o sujeito que observa não é de forma alguma o sujeito da antropologia filosófica, e sim um outro indivíduo que pertence ele próprio a uma época e a uma cultura.

2 - o discurso antropológico do século XVIII é inseparável do discurso histórico desse período, isto é, de sua concepção de uma história natural.

3 - O TEMPO DO PIONEIROS: Os pesquisadores eruditos do século XIX:

O século XVI descobre e explora espaços até então desmerecidos e tem um discurso selvagem sobre os habitantes que povoam esses espaços. Após um parêntese no século XVII, esse discurso se organiza no século XVIII: ele é "iluminado" à luz dos filósofos, e a viagem se torna "viagem filosófica". Mas a primeira – a grande – tentativa de unificação, isto é, de instauração de redes entre esses espaços, e de reconstituição de temporalidades é incontestavelmente obra do século XLX, que se constitui verdadeiramente a antropologia enquanto disciplina autônoma: a ciência das sociedades primitivas em todas as suas dimensões.

No século XIX, o contexto geopolítico é totalmente novo: é o período da conquista colonial. É o movimento dessa conquista que se constitui a antropologia moderna, o antropólogo acompanhado de perto os passos do colono.

O indígena das sociedades extra européias, não é mais o selvagem do século XVIII, tornou-se o primitivo, isto é, o ancestral do civilizado, destinado a reencontrá-lo. A colonização atuará nesse sentido. Assim a antropologia, conhecimento do primitivo, indissociavelmente ligada ao conhecimento da nossa origem, isto é, das formas simples de organização social e de mentalidade que evoluíram para as formas mais complexas das nossas sociedades.

O que é também muito característico dessa antropologia do século XIX, que pretende ser científica, é a considerável atenção dada: 1) a essas populações que aparecem como sendo as mais "arcaicas" do mundo: os aborígines australianos; 2) ao estudo do "parentesco"; 3) e ao da religião.

  • A Austrália ocupa um lugar de primeira importância na própria constituição da nossa disciplina, pois é lá que se pode aprender o que foi a origem absoluta das nossas próprias instituições.
  • No estudo dos sistemas de parentesco, os pesquisadores dessa época procuram principalmente evidenciar a anterioridade histórica dos sistemas de filiação matrilinear sobre os sistemas patrilineares.
  • A área dos mitos, da magia e da religião parece-nos reveladora ao mesmo tempo da abordagem e do espírito do evolucionismo.

O pensamento evolucionista aparece e com ele as objeções de que foi objeto organiza-se em torno de duas séries de crítica:

  • Mede-se a importância do "atraso" das outras sociedades destinadas em relação aos únicos critérios do ocidente do século XIX, o progresso técnico e econômico da nossa sociedade sendo considerado como a prova brilhante da evolução histórica da qual procura-se simultaneamente acelerar o processo e reconstituir estágios.
  • O pesquisador, efetuando de um lado a definição de seu objeto de pesquisa através do campo empírico das sociedades ainda não ocidentalizadas, e, de outro identificando-se as vantagens da civilização à qual pertence, o evolucionismo aparece logo como a justificação teórica de uma prática: o colonialismo.

Esses homens do século passado colocavam o problema maior da antropologia: explicar a universalidade e a diversidade das técnicas, das instituições, dos comportamentos e das crenças, comparar as práticas sociais de populações infinitamente distantes umas das outras tanto no espaço como no tempo. Seu mérito é de ter extraído dessa hipótese mestra sem a qual não haveria antropologia, mas apenas etnologias regionais: a unidade da espécie humana.

Não há conhecimento científico possível sem que se constitua uma teoria servindo de "paradigma", isto é, de modelo organizado do saber, a teoria da evolução teve incontestavelmente um papel decisivo. Foi ela que deu seu impulso a antropologia. O paradoxo é que a antropologia soe se tornará científica introduzindo uma ruptura em relação a esse modo de pensamento que lhe havia no entanto aberto o caminho.

Os pais fundadores da Etnografia

A etnografia propriamente dita só começa a existir a partir do momento no qual se percebe que o pesquisador deve ele mesmo efetuar no campo sua própria pesquisa, e que esse trabalho de observação direta é parte integrante da pesquisa.

A revolução durante o primeiro terço do século XX é considerável: ela Poe fim à repartição das tarefas, até então habitualmente divididas entre o observador entregue ao papel subalterno de provedor de informações, e o pesquisador erudito, que, tendo permanecido na metrópole, recebe, analisa e interpreta essas informações.

Dentre os diferentes pesquisadores, os mais importantes são: um americano de origem alemão: Franz Boas; o polonês naturalizado inglês: Bronislaw Malinowski.

Boas (1858 – 1942)

Boas era antes de tudo um homem de campo. Suas pesquisas, totalmente pioneiras, eram conduzidas de um ponto de vista que hoje qualificaríamos de microssociológico. No campo, ensina Boas, tudo deve ser anotado: "no detalhe de detalhar". Foi o primeiro a formular com seus colaboradores a crítica mais radical e mais elaborada das noções de origem e de reconstituição dos estágios. A partir de Boas, estima-se que para compreender o lugar particular ocupado pelo costume não se pode mais confiar nos investigadores e, muito mesmo nos que, da "metrópole", confiam neles. Apenas o antropólogo pode elaborar uma monografia, isto é, dar conta cientificamente de uma microssociedade, apreendida em sua totalidade e considerada em sua autonomia teórica. Pela primeira vez, o teórico e o observador estão finalmente reunidos. Assistimos ao nascimento de uma verdadeira etnografia profissional que não se contenta mais em coletar materiais à maneira dos antiquários, mas procura detectar o que faz a unidade da cultura que se expressa através desses diferentes materiais. Boas anuncia a constituição do que hoje chamamos de "etnociências".

Foi um dos primeiros a nos mostrar a importância e necessidade, para o etnólogo, do acesso à língua da cultura na qual trabalha.

  • Nunca escreveu nenhum livro destinado ao público erudito, e os textos que nos deixou são de uma concisão e de um rigor ascético.
  • Nunca formulou uma verdadeira teoria, tão estranha, era-lhe o espírito de sistema.

MALINOWSKI (1884 - 1942)

1992, ano de publicação de sua primeira obra, "Os Argonautas do Pacífico Ocidental", até sua morte, em 1942.

O fato de a obra de Malinowski ter sido provavelmente a mais controvertida de toda a história da antropologia se deve a duas razões, ligadas ao caráter sistemático de sua reação ao evolucionismo.

Malinowski inverte essa relação: a antropologia supõe uma identificação com alteridade, não mais considerada como forma social anterior à civilização, e sim com forma contemporânea mostrando-nos em sua pureza aquilo que nos faz tragicamente falta: a autenticidade.

Convencido de ser o fundador da antropologia científica moderna – uma teoria de uma extrema rigidez, que contribuiu, em grande parte, para o descrédito do qual ele ainda é objeto: o "funcionalismo".

Malinowski, baseando-se no modelo do finalismo biológico, estabelece generalizações sistemáticas que não hesita em chamar de "leis científicas da sociedade".

  • É o primeiro a pôr em prática a observação participante, dando-nos o exemplo do que deve ser o estudo intensivo de uma sociedade que nos é estranha. Malinowski nos ensinou a olhar. Deu-nos o exemplo daquilo que devia ser uma pesquisa de campo;
  • Em "Os Argonautas do Pacifico Ocidental", o social deixa de ser anedótico, curiosidade exótica, descrição moralizante ou coleção exaustiva erudita.
  • Finalmente, uma das grandes qualidades de Malinowski é sua faculdade de restituição da existência desses homens e dessas mulheres que puderam ser conhecidos apenas através de uma relação e de uma experiência pessoais.

A antropologia contemporânea é freqüentemente ameaçada pela abstração e sofisticação dos protocolos, podendo, como mostrou Devereux (1980), ir até a destruição do objeto que pretendia estudar, e, conjuntamente, da especificidade da nossa disciplina.

Os primeiros teóricos da antropologia

Durkheim e Mauss forneceram à antropologia o quadro teórico e os instrumentos que lhe faltavam ainda.

Durkheim mostrou em suas primeiras pesquisas preocupações muito distantes das da etnologia, e mais ainda da etnografia. Em As Regras do Método Sociológico (1894), ele opõe a "precisão" da história à "confusão’ da etnografia, e se dá como objeto de estudo "as sociedades cujas crenças, tradições, hábitos, direito, incorporaram-se em movimentos escritos e autênticos". Mas em As Formas Elementares da Vida Religiosa (1912), ele revisa seu julgamento, considerando que é não apenas importante, mas também necessário estender o campo de investigação da sociologia aos materiais recolhidos pelo etnólogos nas sociedades primitivas.

Durkheim opõe-se às explicações psicológicas do social. Essa irredutibilidade do social aos indivíduos tem para ele a seguinte conseqüência: os fatos sociais são "coisas" que só podem ser explicados sendo relacionados a outros fatos sociais.

Marcel Mauss faz tanto quanto Durkheim questão de fundar a autonomia do social, separa-se muito rapidamente do autor de As Regras do Método Sociológico a respeito de dois pontos essenciais: o estatuto que convém atribuir à antropologia, e uma exigência epistemológica que qualificaríamos de pluridisciplinar. Em 1924, escreveu que "o lugar da sociologia" está "na antropologia" e não o inverso.

Um dos conceitos maiores forjados por Marcel Mauss é o do fenômeno social total, constitutivos de uma dada realidade social que convém aprender em sua integralidade. Para compreender um fenômeno social total, é preciso aprendê-lo totalmente, isto é, de fora como uma "coisa", mas também de dentro como realidade vivida. Estamos longe do distanciamento psicológico, que supõe a metodologia durkheimiana, e próximos da prática etnográfica de Malinowski.


SEGUNDA PARTE:

AS PRINCIPAIS TENDÊNCIAS DO PENSAMENTO ANTROPOLÓGICO CONTEMPORÂNEO.

Introdução

As tendências dominantes do pensamento e da prática dos antropólogos são de maneiras diversas:

1 - Campos de investigação – levanta as áreas de investigação e estuda os resultados obtidos em cada uma ou em algumas delas.

Se deixarmos de lado essa primeira forma consideramos que uma disciplina científica não deva ser caracterizada por objetos empíricos já constituídos, mas pela constituição de objetos formais. A única coisa possível de definir uma disciplina não é de forma alguma um campo de investigação dado, muito menos uma área da abordagem utilizada que transforma esse campo, essa área, esse período em objeto científico.

2 - Determinações culturais – mostra o que a pesquisa do antropólogo deve à cultura à qual ele próprio pertence.

Caracteres culturais distintivos que marcavam profundamente e continuam influenciando várias sociedades nas quais o pensamento e a prática antropológicas estão hoje particularmente desenvolvidos.

3 - Antropologia americana – trata-se de um tipo de pesquisa que destaca a diversidade das culturas: as variações praticamente ilimitadas que aparecem quando se comparam as sociedades entre si. Esse estudo, conduzido mais a partir da observação dos comportamentos individuais do que do funcionamento das instituições, visa evidenciar a especificidade das personalidades culturais, bem como, das produções culturais características de uma etnia ou nação. Na se interessa apenas pelos processos de interação entre os indivíduos e sua cultura, mais também entre as próprias culturas.

4 - Antropologia britânica – é uma antropologia antievolucionista dedica-se à investigação do presente a partir de métodos funcionais (Malinowski) e, em seguida, estruturais. Uma sociedade deve ser estudada em si no momento no qual a observamos.

5 - É uma antropologia antidifusionista – uma sociedade não deve ser explicada nem pelo que herda de seu passado, nem pelo que empresta a seus vizinhos.

6 - É uma antropologia de campo – esse caráter empírico e indutivo da prática dos antropólogos ingleses apóia-se numa longa tradição britânica: o empirismo dos filósofos desse país.

7 - Antropologia social privilegia o estudo da organização dos sistemas sociais em detrimento do estudo dos comportamentos culturais dos indivíduos.

8 - Antropologia francesa – a França está praticamente ausente da cena da antropologia social e cultural da segunda metade do século XIX. Quando se falava de antropologia, tratava-se da antropologia física. Foi preciso esperar os anos 30 para que uma verdadeira etnografia profissional começasse a se constituir na França, cujos aspectos relevantes são:

- preocupações teóricas dos antropólogos franceses quando confrontamos seus trabalhos (e debates) à prática da antropologia anglo-saxônica.

- um objeto de predileção que é o estudo dos sistemas de "representações".

- renovação metodológica, com o impulso especialmente:

a) do estruturalismo

b) de pesquisas conduzidas dentro da perspectiva do marxismo

- um crescimento recente, mas apoiado em uma sólida tradição, da etnografia, da museugrafia, e da etnologia da própria sociedade francesa, em suas diversidades e mutações.

Os cinco pólos teóricos do pensamento antropológico contemporâneo

A antropologia oscila entre vários pólos teóricos, mas são de fato pontos de vista diferentes sobre a mesma realidade.

Cinco pólos em torno dos quais a antropologia oscila constantemente:

  • A antropologia simbólica – seu objeto é essa região da linguagem que chamamos símbolo e que é o lugar de múltiplas significações, que se expressam em especial através das religiões, das mitologias e da percepção imaginária do cosmos. Esse primeiro eixo da pesquisa caracteriza-se mais por um tipo de preocupações do que por um método propriamente dito. Trata-se de apreender o objeto que se pretende estudar do ponto de vista do sentido.
  • A antropologia social – seu objeto situa-se claramente no campo epistemológico oriundo da economia. Nada distingue realmente seu território do território do sociólogo. Um dos conceitos operatórios é o de função, ligado ao estudo dos processos de normalização destas funções. É um eixo de pesquisa que não se interessa diretamente para as maneiras de pensar, conhecer, sentir, expressar-se, em si, e mais para a organização interna aos grupos, a partir da qual podem ser estudados o pensamento, o conhecimento, a emoção, a linguagem.
  • A antropologia cultual – é uma antropologia empírica que se situa do lado da função ou em detrimento da norma e do Sistema. Mas o que permite caracterizar essa tendência é o critério da continuidade entre a natureza e a cultura de um lado, e entre as próprias culturas, de outro.
  • Antropologia estrutural e sistêmica – realiza uma passagem do consciente para o inconsciente: passagem da função para a norma, do conflito para a regra, do sentido para o sistema.
  • A antropologia dinâmica – reunimos nesse termo um eixo da pesquisa antropológica contemporânea que se situa no horizonte do que Foucault chama de campo sociológico, e que procura estudar as relações de poder. Uma das características de suas contribuições consiste em reorientar a antropologia social, operando uma ruptura total com o funcionalismo em seus pressupostos, ao mesmo tempo a históricos e finalistas. Para esses autores, pelo contrário, convém não isolar essa área particular do homem que seria a história.

Esses cinco pólos em torno dos quais se organiza a antropologia contemporânea não têm nada de exclusivo. São tendências de pesquisa que podem coexistir dentro de uma mesma escola de pensamento, ou mesmo de um único pesquisador.


QUESTÕES

1. Qual a importância do estudo da antropologia para a formação do profissional das ciências jurídica?

R- A antropologia leva ao profissional das ciências jurídicas um conhecimento profundo do homem e sua sociedade. Ela aborda as múltiplas dimensões do ser humano em sociedade, ou seja, analisa o meio ambiente, a evolução na qual o homem está inserido, suas organizações sociais, como pensam, como vivem, seus comportamentos, enfim, tudo que diz respeito ao homem sociável. Para o profissional das ciências jurídicas, esse conhecimento é de fundamental importância permitindo-lhe uma atuação de acordo com o estágio evolutivo em que o homem se encontra com todas as suas peculiaridades, visto que as leis nem sempre acompanham concomitante tais mudanças, sendo de iniciativa desse profissional uma interpretação contextualizada com o momento em que o ser humano vive.

2. Contextualize o surgimento da antropologia, apresentando os seus fundadores e as tendência do pensamento antropológico contemporâneo.

R- No final do século XVIII é que começa a se constituir um saber científico que toma o homem como objeto de conhecimento. Mas foi no século XIX que se constitui verdadeiramente a antropologia enquanto disciplina autônoma. Dentre os diferentes pesquisadores os mais importantes são:

  • Franz Boas;
  • Bronislaw Malinwski

3. As principais tendências do pensamento antropológico contemporâneo são;

  • Campo de investigação – levanta as áreas de investigação e estuda os resultados obtidos em cada uma ou em algumas delas;
  • Determinações culturais – mostra o que a pesquisa do antropólogo deve á cultura à qual ele próprio pertence;
  • Os cinco pólos teóricos do pensamento antropológico contemporâneo – a antropologia oscila entre vários pólos teóricos, que aparecem freqüentemente como exclusivos uns dos outros, mas são de fato pontos de vista diferentes sobre a mesma realidade.

Comentários