ANÁLISE DE BALANÇOS

Autor:
Instituição: Universidade Estadual de Maringá
Tema: Contabilidade

O que é Análise de Balanços ?


Objetivos da Análise de Balanços

A Análise de Balanços objetiva extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. A seguir, a definição de dados e informações.

Dados são números ou descrição de objetos ou eventos que, isoladamente, não provocam nenhuma reação no leitor.

Informações representam, para quem as recebe, uma comunicação que pode produzir reação ou decisão, freqüentemente acompanhada de um efeito-surpresa.

O objetivo da Análise de Balanços é produzir informação.

A Análise de Balanços começa onde termina a Contabilidade

O analista de balanços preocupa-se com as demonstrações financeiras que, por sua vez, precisam ser tranformadas em informações que permitam concluir se a empresa merece ou não crédito, se vem sendo bem ou mal administrada, se tem ou não condições de pagar suas dívidas, se é ou não lucrativa, se vem evoluindo ou regredindo, se é eficiente ou ineficiente, se irá falir ou se continuará operando.

O grau de excelência da Análise de Balanços é dado exatamente pela qualidade e extensão das informações que conseguir gerar.

Linguagem descomplicada

A Análise de Balanços deve assumir o papel de tradução dos elementos contidos nas demonstrações financeiras. Um relatório de análise de balanços que apresentasse dados em vez de informações não poderia ser considerado um bom relatório.

O que incluir no relatório

Em linhas gerais, um relatório deve apresentar: a situação financeira e econômica, desempenho, eficiência na utilização dos recursos, pontos fortes e fracos, tendências e perspectivas, quadro evolutivo, adequação das fontes às aplicações de recursos, causas das alterações na situação financeira e na rentabilidade, evidência de erros na administração, providências que deveriam ser tomadas e não foram, avaliação de alternativas econômico-financeiras futuras - tudo isso em relação às empresas.

Metodologia de Análise

A Análise de Balanços baseia-se no raciocínio científico:

1. extraem-se índices das demonstrações financeiras;

2. comparam-se os índices com os padrões;

3. ponderam-se as diferentes informações e chega-se a um diagnóstico ou conclusões;

4. tomam-se decisões.

Quando esta seqüência não é levada em conta, fatalmente a Análise de Balanços fica prejudicada. Em qualquer Análise de Balanços, observe atentamente essas etapas.

Panorama das técnicas de Análise de Balanços

É provável que por volta de 1900, os balanços apresentassem dados que eram examinados apenas superficialmente, sem nenhuma técnica analítica ou tentativa de medição quantitativa. A literatura contábil do começo do século atual menciona a importância de comparações de dados das demonstrações financeiras, porém as idéias eram, vagas em relação ao que comparar.

Os primeiros passos da Análise de Balanços ocorreram no final do século passado. No Brasil, ela só se difundiu nos anos 70. Ela se tornou praticamente obrigatória em 1915 nos Estados Unidos.

As demonstrações financeiras na época não eram preparadas adequadamente para os fins a que se destinavam. Não havia uniformidade nas disposições e na terminologia, nem na classificação de rubricas.

Alexander Wall é considerado o pai da Análise de Balanços, que desenvolveu muitas das técnicas usadas ainda hoje.

Em cerca de 40 anos, assentaram-se as bases das técnicas de Análise de Balanços. No Brasil, até 1968, a Análise de Balanços era ainda um instrumento pouco utilizado na prática.


Técnicas de Análise

Análise através de índices

Merecem especial atenção os estudos sobre o uso de Análise de Balanços na previsão de insolvência. Em função dessas experiências, tem-se podido chegar a alguns resultados objetivos sobre o grau de eficiência de certos índices de balanço na previsão de insolvência; com isso têm-se atribuído diferentes pesos aos índices que representam a importância relativa de cada índice.

A principal preocupação dos índices de balanço é fornecer avaliações genéricas sobre diferentes aspectos da empresa em análise, sem descer a um nível maior de profundidade. Essa profundidade, porém, é alcançável através de outras técnicas expostas adiante.

Análise Vertical e Horizontal

A Análise Vertical e Horizontal presta-se fundamentalmente ao estudo de tendências. Poucos estudos têm sido feitos com base nesse tipo de análise. Entretando, pesquisas efetuadas recentemente com insolvência de pequenas e médias empresas têm ressaltado a utilidade da Análise Vertical e Horizontal como instrumento de análise.

Análise de Capital de Giro

Através do cálculo dos índices de rotação ou prazos médios, é possível construir um modelo de análise de investimentos e financiamento de capital de giro, de grande utilidade gerencial, bem como para a avaliação da capacidade de administração do capital de giro por parte da empresa.


Modelos de Análise de Rentabilidade

Análise do ROI (Retorno Operacional dos Investimentos

Esse tipo de análise é ainda instrumento de grande utilidade na análise interna ou externa à empresa. Permite ampla decomposição dos elementos que influem na determinação da taxa de rentabilidade de uma empresa e explica quais os principais fatores que levaram ao aumento ou à queda de rentabilidade. Possibilita ainda identificar as alternativas para modificações da rentabilidade quando esta estiver em estudo.

Modernamente, faz-se pesquisa a respeito da utilidade desse modelo e análise acoplado à análise de Custo/Volume/Lucro e à análise da curva de Demanda dos produtos de uma empresa. É pouco utilizada no Brasil.

Análise da "Alavancagem Financeira"

Por comparar o custo das diferentes alternativas de capitais de terceiros com o custo do capital próprio, a análise da "alavancagem financeira" é imprescindível para as decisões de subscrição de ações e muito recomendável nas decisões de financiamentos de longo prazo.

Análise da Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos e do Fluxo de Caixa

Os analistas de balanço pouco conhecem das potencialidades informativas dessa demonstração e não as vêm utilizando para emissão de seus pareceres. Entre as condições desse trabalho foi indicada a excelência das informações obteníveis através de índices próprios que enriquecem em muito a análise tradicional. Em vista disso, é recomendável a adoção desses índices em conjunto com aqueles que já vinham sendo utilizados.

Análise Prospectiva

Apenas modernamente é que se desenvolveram técnicas previsionais na Análise de Balanços.

Em virtude de as técnicas previsionais incorporarem novas variáveis, acredita-se que o uso de tais técnicas supera em muito os resultados que se obtém pela simples análise do passado. É claro que o grau de erro numa análise previsional é maior do que na análise do passado, mas isso não lhe tira a qualidade de mais eficiente, visto que a análise do passado, mesmo que absolutamente correta, pode, em certas circunstâncias, não ter nenhuma utilidade para a tomada de decisões; isso jamais acontecerá com a análise previsional.

É pouco utilizada no Brasil, mas; nos bancos americanos é largamente utilizada.

Usos e Usuários da Análise de Balanços

Saber analisar balanços está-se tornando uma necessidade para grande número de pessoas. A Análise de Balanços é um trabalho fascinante para as áreas de Contabilidade e Finanças. É através dela que se podem avaliar os efeitos de certos eventos sobre a situação financeira de uma empresa.

A Análise de Balanços é fundamental para quem pretende relacionar-se com a empresa. Permite uma visão estratégica e dos planos da empresa analisada; permite estimar o seu futuro, suas limitações e suas potencialidades. Cada usuário está interessado em algum aspecto particular da empresa.

Fornecedores

O fornecedor de mercadoria precisa conhecer a capacidade de pagamento de seus clientes, ou seja, a liquidez. Além disso, precisa conhecer sua capacidade de endividamento e rentabilidade. A profundidade da análise do fornecedor depende da importância do cliente.

Clientes (Compradores)

Raramente o comprador analisa a situação do fornecedor. Em geral ocorre análise por parte do comprador quando depende de fornecedores que não possuam o mesmo porte dele ou que possam de alguma forma oferecer riscos. Outra possibilidade de ocorrer análise se dá quando existem poucos fornecedores no mercado e a relação entre comprador e fornecedor é bastante forte. Outra situação ocorre quando uma empresa planeja expandir-se e precisa demais de seus fornecedores. É importante considerar a capacidade de expansão, produção e realização de pesquisas e de desenvolvimento da parte do fornecedor.

Bancos Comerciais

Como os bancos comerciais concedem crédito a curto prazo, devem, além de observar a situação atual do cliente, procurar conhecer ou obter alguma informação sobre a situação futura de seu cliente. Estaria, o banco comercial atento aos objetivos de curto e de longo prazo. O banco comercial preocupa-se bastante com o endividamento do cliente, o que já não ocorre, por exemplo, com a análise do fornecedor.

Os bancos sabem que o grau de endividamento é forte indicador de insolvência.

Bancos de Investimento

Os bancos de investimentos concedem financiamentos a um número menor de empresas , porém a um prazo mais longo. Nesse caso, o financiamento concedido depende da situação futura do cliente.

Por isso, o risco assumido pelo banco de investimento precisa ser rigorosamente calculado. Ele só receberá de seus clientes se a situação futura deles for boa. Exige-se, por essa razão, análise cuidadosa da futura capacidade do cliente.

Sociedades de Crédito Imobiliário

Essas sociedades concedem financiamentos a construtoras por prazos superiores a um ano. A análise delas, feita pela sociedade de crédito imobiliário, geralmente fica no meio termo entre a análise de um banco de investimento e a de um comercial.

Sociedades de Crédito, Financiamento e Investimento

Essas sociedades concedem crédito diretamente aos consumidores. As lojas vendem para os seus clientes e estes recebem o crédito da Sociedade de Crédito, Financiamento e Investimento, que intervém como avalista dos empréstimos. É por essa razão que tais sociedades necessitam conhecer a competência ou a capacidade da loja em conceder avais a seus clientes.

Corretoras de Valores e Público Investidor

As corretoras de valores e o público investidor fazem análise para investimento em ações. Além da análise financeira, levam em conta outros fatores relacionados especificamente ao preço e à valorização de ações. O que interessa é a rentabilidade.

Concorrentes

A análise dos concorrentes de uma empresa é de vital importância: o conhecimento profundo da situação de seus concorrentes pode ser fator de sucesso ou de fracasso da empresa no mercado. Os concorrentes fornecem os padrões para a empresa auto-avaliar-se.

Dirigentes

A liquidez é uma preocupação para os administradores da empresa, pois, se for muito baixa, ainda que dê condições de a empresa operar, pode representar sério entrave para a obtenção do crédito bancário. A Análise de Balanços pode servir de guia para os dirigentes.

Governo

O governo utiliza intensamente a Análise de Balanços em diversas situações.

Em virtude de os serviços públicos serem sempre de interesse nacional, o governo acompanha o desempenho de empresas concessionárias de serviços públicos para saber como andam sua rentabilidade e suas políticas de desenvolvimento. Igualmente controla empresas públicas e autarquias e estabelece níveis de investimentos e índices de desempenho. Além disso, através da Análise de Balanços, acompanha os setores da economia, como o financeiro, de seguros, etc.

O governo recebe balanços de todas as instituições de determinado ramo de atividade e pode, pela análise conjunta de todos eles ou pela análise individual comparativa, saber qual setor está evoluindo, quais problemas existem, etc.

Acompanhamento de Clientes e Fornecedores

A Análise de Balanços proporciona bons resultados na previsão da insolvência. Muitos fornecedores e bancos tiveram enormes prejuízos com empresas que vão à falência ou concordata simplesmente porque deixaram de acompanhar, ainda que de forma simples, a situação financeira dessas empresas.

Comentários