Amigo Nerd.net

O SISTEMA PENITENCIARIO BRASILEIRO - tema de monografia pronta e tcc

Autor:
Instituição: Desconhecida
Tema:

O SISTEMA PENITENCIARIO BRASILEIRO - tema de monografia pronta e tcc

O sistema penitenciário brasileiro vive, ao final deste século XX, uma verdadeira falência gerencial. A nossa realidade penitenciária é arcaica, os estabelecimentos prisionais, na sua grande maioria, representam para os reclusos um verdadeiro inferno em vida, onde o preso se amontoa a outros em celas (seria melhor dizer jaulas de homens) sujas, úmidas, anti-higiênicas e super lotadas, de tal forma que, em não raros exemplos, o preso deve dormir sentado, enquanto outros revezam em pé.
Por sua vez, a promiscuidade interna das prisões, é tamanha, que faz com que o preso, com o tempo, perca o sentido de dignidade e honra que ainda lhes resta, ou seja, em vez do Estado, através do cumprimento da pena, nortear a sua reintegração ao meio social, dotando o preso de capacidade ética, profissional e de honra, age de forma contrária, inserindo o condenado num sistema que para Edmundo Oliveira nada mais é do que: “um aparelho destruidor de sua personalidade”, pelo qual: “não serve o que diz servir; neutraliza a formação ou o desenvolvimento de valores; estigmatiza o ser humano; funciona como máquina de reprodução da carreira no crime; introduz na personalidade e prisionalização da nefasta cultura carcerária; estimula o processo de despersonalização; legitima o desrespeito aos direitos humanos”.
Nota-se assim, que o desrespeito ao preso não atinge apenas os seus direitos, agridem a sua própria condição de ser humano, rebaixando-os à situação de animais insignificantes.João Faria Júnior, demonstrando grande conhecimento sobre a situação de crise nas prisões, nos indica os principais males que assolam o sistema penitenciário brasileiro:
• A ociosidade - dos 100.000 presos do Brasil, apenas 5% trabalham.
• Irrisória remuneração, não obstante o mínimo de ¾ determinada pela LEP.
• A superlotação - a falta de vagas ultrapassa a marca dos 50 mil, sem contar os mais de 300 mil mandatos de prisão não cumpridos. A superlotação é a principal causa das rebeliões nas prisões.
• A promiscuidade - é conseqüência da superlotação, por se reunirem numa mesma cela um amontoado de pessoas das mais variadas espécies.
• A formação de grupos mafiosos que são comandados por líderes que exercem poder de dominação sobre os demais presos, com objetivo de adquirir armas, bancar o jogo de azar, tráfico de drogas, tabaco e álcool, cobrar por proteção e violentar sexualmente outros presos.
• Fugas, motins, greves, violência, privilégios de certos presos e discriminação de outros, corrupção dos funcionários, falta de capacidade administrativa para gerenciar o estabelecimento prisional, falta de verbas, entre outros.
Não se deve, por outro lado, generalizar a degradação de todo estabelecimento prisional, pode ser que haja alguma exceção, se bem que rara, como se observa pela feliz expressão de Edmundo Oliveira: “qualquer estabelecimento penal, de bom nível, representa apenas uma ilha de graça num mar de desgraça”.

Comentários


Páginas relacionadas