Amigo Nerd.net

Diferenças e Semelhanças entre Vygotski e Piaget

Autor:
Instituição: UNOPAR
Tema: Desenvolvimento Psico-Social

DESENVOLVIMENTO PSICO-EMOCIONAL

Maringá

2006


QUADRO COMPARATIVO DE DIFERENÇAS ENTRE PIAGET E VYGOTSKY

PIAGET

Privilegia a maturação biológica.

Fatores internos preponderam sobre os externos.

Desenvolvimento segue uma seqüência fixa universal de estágios.

Os conhecimentos são elaborados espontaneamente pela criança, de acordo com os estágios de desenvolvimento em que se encontra.

A visão egocêntrica (particular e peculiar) que as crianças tem do mundo vai, progressivamente, aproximando-se da concepção dos adultos: torna-se socializada, objetiva ( do individual para o social).

Aprendizagem subordina-se ao desenvolvimento, e tem pouco impacto sobre ele (minimiza o papel da interação social).

Pensamento aparece antes da linguagem, que é uma das suas formas de expressão.

A formação do pensamento depende basicamente da coordenação dos esquemas sensório-motores e não da linguagem.

A linguagem só ocorre depois que a criança já alcançou um determinado nível de habilidades mentais; está subordinada aos processos de pensamento.

As operações cognitivas não podem ser trabalhadas por meio de treinamento específico com o auxílio da linguagem (não se pode ensinar usando apenas palavras, a classificar, a seriar, a pensar com reversibilidade)

Concepção de desenvolvimento: forma retrospectiva, isto é, o nível mental atingido determina o que o sujeito pode fazer.

Não aceita em suas provas "ajudas externas", por considerá-las inviáveis para detectar e possibilitar a evolução mental do sujeito.

Leva em conta o desenvolvimento como um limite para adequar o tipo de conteúdo de ensino evolutivo do aluno.

VYGOTSKY

Privilegia o ambiente social.

Variando o ambiente social que a criança nasceu, o desenvolvimento também variará.

Não aceita a visão única universal, de desenvolvimento humano.

Criança nasce num mundo social, e vai formando uma visão de mundo através da interação com adultos e crianças mais experientes.

Construção do real é mediada pelo interpessoal antes de ser internalizada pela criança (do social para o individual).

Desenvolvimento e aprendizagem são processos que se influenciam reciprocamente (quanto mais aprendizagem, mais desenvolvimento).

Pensamento e linguagem são processos interdependentes, desde o inicio da vida.

A aquisição da linguagem pela criança modifica suas funções mentais superiores, dando uma forma definida ao pensamento, possibilitando o aparecimento da imaginação, o uso da memória e o planejamento da ação.

A linguagem sistematiza a experiência direta das crianças e por isso adquire uma função central no desenvolvimento cognitivo, reorganizando os processos que nele estão em andamento.

Coexistem fala egocêntrica e comunicacional, sendo a fala egocêntrica transitória na evolução da fala oral a interior, onde predomina o sentido da palavra e do contexto sobre a frase. A fala egocêntrica é o falar para si mesma e para o outro de seus planos interiores e ações; tem sentido social.

Concepção de desenvolvimento: dimensão prospectiva, ou seja, enfatiza que o processo em formação pode ser concluído através da ajuda oferecida ao sujeito na realização da tarefa.

Aceita ajudas e as considera fundamentais para o processo evolutivo.

O que tem que ser estabelecido é uma seqüência que permita o progresso de forma adequada, impulsionando ao longo de novas aquisições, sem esperar a maduração "mecânica" e com isso evitar que possa pressupor dificuldades para prosperar por não gerar um desequilíbrio adequado. É desta concepção que Vygotsky afirma que a aprendizagem vai à frente do desenvolvimento.

 



SEMELHANÇAS DE PENSAMENTO ENTRE PIAGET E VYGOTSKY

É importante que se respeite o nível da criança na colocação e máxima para cada ensinamento.

Representam marcos teóricos nas pesquisas da construção do conhecimento, sendo necessário o dialogo entre ambas teorias para que tenhamos uma teoria do conhecimento sempre renovada e atual.

São contra o "associassionismo empirista" e "idealismo racionalista", se interessam pela gênese dos processos psicológicos.

Consideram que a imaginação surge da ação, o que é importante na forma da consciência.

Consideram o discurso egocêntrico como o ponto de partida do discurso interior.


Contribuição da teoria de Vygotsky para a educação.

A obra de Vygotsky é a fonte de inspiração do sócio-construtivismo, uma tendência cada vez mais presente na postura dos educadores, pois a repercussão do pensamento de Vygotsky vem sendo uma espécie de renovação dos debates educacionais.

Apesar de não ter deixado uma pedagogia Vygotsky deixou idéias sugestivas para a educação. Atento à natureza social do ser humano, que desde o berço vive rodeado por seus pares em ambiente impregnado pela cultura, defendeu que o próprio desenvolvimento da inteligência é produto dessa convivência. Para Vygotsky "na ausência do outro, o homem não constrói o homem".

Para Vygotsky, a formação se dá numa dialética entre o sujeito e a sociedade ao seu redor – ou seja - o homem modifica o ambiente e o ambiente modifica o homem.

Para ele, a intervenção pedagógica provoca avanços que não ocorreriam espontaneamente. Ele considera que a aprendizagem da criança antecede a entrada na escola e que o aprendizado escolar produz algo novo no desenvolvimento infantil, evidenciando as relações interpessoais.

O ensino para Vygotsky deve se antecipar ao que o aluno ainda não sabe nem é capaz de aprender sozinho, porque, na relação entre aprendizado e desenvolvimento, o primeiro vem antes. É a isso que se refere um dos seus principais conceitos, o de zona de desenvolvimento proximal, que seria a distância entre o desenvolvimento real de uma criança e aquilo que ele tem, o potencial de aprender – potencial que é demonstrado pela capacidade de desenvolver uma competência com a ajuda de um adulto.

Saber identificar essas duas capacidades e trabalhar o percurso de cada aluno entre ambas são as duas principais habilidades que um professor precisa ter, segundo Vygotsky.

De acordo com Vygotsky a aprendizagem e desenvolvimento humano pressupõe natureza social sendo processo dialético em que o sujeito transforma e é transformado pela realidade social, física e cultural; na construção social, considera as crianças como sujeitos socais que constroem o conhecimento socialmente produzido.

Uma vez que Vygotsky entende o homem como um ser social, a interferência de outras pessoas, pais, professores, colega é um aspecto fundamental para o desenvolvimento da criança. O professor deve ser o estimulador da zona de desenvolvimento proximal. A interferência do professor não pressupõe uma pedagogia diretiva, autoritária.

No sócio-construtivismo o erro deve ser visto pelo professor como parte do processo ensino-aprendizagem, mas jamais deve ser ignorado. A correção é importante para que o aluno perceba a necessidade de melhorar e de dedicar-se mais aos conhecimentos que ainda não domina.

Outro aspecto de grande importância na teoria de Vygotsky é o brinquedo. Para ele o brinquedo (faz de conta) cria zonas de desenvolvimento proximal à medida que coloca a criança em situações de repetição de valores e imitação de papeis e regras sociais. A escola deve criar situações de ter uma gama de possibilidades que estimulem seu desenvolvimento e a própria interação social.

Para ele a aprendizagem da escrita inicia antes mesmo da entrada da criança na escola. Portanto, o processo de desenvolvimento da escrita está intimamente ligado aos estímulos recebidos pela criança, desde cedo. Acriança precisa ser levada a compreender que o signo da escrita não possui significado em si mesmo, é apenas uma representação do mundo real. É função da escola fazer com que a criança compreenda o signo e o significado, através de ações que relacionem o mundo concreto e suas representações, "até o ponto da descoberta de que se pode desenhar não somente objetos, mas, também, a fala". (OLIVEIRA, 1993)

Vygotsky atribuiu muita importância ao papel do professor como impulsionador do desenvolvimento psíquico das crianças. A idéia de um maior desenvolvimento conforme um maior aprendizado não quer dizer, porém, que se deve apresentar uma quantidade enciclopédica de conteúdos aos alunos.

O importante para o pensador é apresentar às crianças formas de pensamento, não sem antes detectar que condições elas têm de absorvê-las.

"O caminho do objeto até a criança e desta até o objeto passa por outra pessoa".(VYGOTSKY, 1991).


A CONTRIBUIÇÃO DA TEORIA DE PIAGET PARA A EDUCAÇÃO

Peaget forneceu uma percepção sobre as crianças que serve como base de muitas linhas educacionais atuais, suas contribuiçoes para as áreas de Psicologia e Pedagogia são enormes.

Ele acreditava que a experiência é essencial para o crescimento da inteligência, por isso as crainças constroem seu mundo através do que vê, sente ou ouve.

Na sua teoria, o desenvolvimento era dividido em etapas, e afirmava que, ao conhecer a etapa em que se encontra uma criança, o professor facilita o seu trabalho pedagógico.

Essa divisão por etapa de desenvolvimento foi muito impotante para a educação, pois sabemos que toda sujeito aprende, cada um tem seu tempo, seu ritmo, que deve ser respeitado e conduzido a uma etapa superior sem forçá-lo.

Piaget através de suas pesquisas concluiu que "o conhecimento se forma e evolui através de um processo de construção". A partir das conclusões de Piaget os educadores encontraram explicação para o processo de aprendizagem. Estava estabelecida a ponte entre a psicogenética piagetiana e a criança. É possível, então, verificar que: "a criança aprende por si, construindo e reconstruindo suas próprias hipóteses sobre a realidade que a cerca, e que o erro em vez de denunciar uma não aptidão, é uma etapa necessária do processo de construção do conhecimento".

Piaget criou a Teoria dos Estágios a partir da observação contínua das crianças e seus erros. Esta teoria mostra os estágios do desenvolvimento da inteligência.

Para Piaget os estágios e períodos do desenvolvimento caracterizam as diferentes maneiras do indivíduo interagir com a realidade, ou seja, de organizar seus conhecimentos visando sua adaptação, constituindo-se na modificação progressiva dos esquemas de assimilação. Os estágios evoluem como uma espiral, de modo que cada estágio engloba o anterior e o amplia. Piaget não define idades rígidas para os estágios, mas sim que estes se apresentam em uma seqüência constante.

Vygotsky, teve contato com a obra de Piaget e, embora teça elogios a ela em muitos aspectos, também a critica, por considerar que Piaget não deu a devida importância à situação social e ao meio. Ambos atribuem grande importância ao organismo ativo, mas Vygotsky destaca o papel do contexto histórico e cultural nos processos de desenvolvimento e aprendizagem, sendo chamado  de sociointeracionista, e não apenas de interacionista como Piaget.

Para concluir, não se pode deixar de apontar a contribuição da obra de Piaget para o estudo original da socialização, do simbolismo e da afetividade humana. Na concepção desse autor, a socialização significa a possibilidade do indivíduo trocar e compartilhar, efetivamente, significados e de submeter-se racionalmente às regras morais.

Comentários


Páginas relacionadas