Projeto de Pesquisa: A Importância do Jogo e do Lúdico no Processo Ensino-Aprendizagem

Autor:
Instituição: Universidade Castelo Branco
Tema: A Importância do Jogo e do Lúdico no Processo Ensino-Aprendizagem

Projeto de Pesquisa: A Importância do Jogo e do Lúdico no Processo Ensino-Aprendizagem
Universidade Castelo Branco
2009

 

 

 

Sumário

1.Formulação do Problema
2.Diagnóstico da Realidade
3.Justificativa
4.Fundamentação Teórica
4.1. Aprendizagem
4.2 A Importância do Jogo no Processo Ensino Aprendizagem
4.3 O Lúdico como Facilitador da Aprendizagem
4.4 O Brinquedo como Instrumento
4.5 O Brinquedo e sua Função Educacional
5.Objetivos e Metas
5.1 Objetivo Geral
5.2 Objetivo Específico
5.3 Metas
6.Estratégias e Técnicas
6.1 Discussão dos Resultados Obtidos
7. Recursos
8.Cronograma
9.Avaliação
Referencias

 

1. Formulação do Problema

Sabendo-se da grande importância funcional do brinquedo ou da ludicidade na aquisição ou aprimoramento do desenvolvimento psicomotor das crianças, como brincadeiras saudáveis do dia-a-dia das mesmas, por que as brincadeiras não podem ser inseridas no contexto escolar de forma bem organizada para auxiliá-las no processo ensino-aprendizagem?

- Como está sendo desenvolvida a criatividade lúdica no processo ensino aprendizagem na Escola Municipal Dr. João Ribeiro Junior?
- Como o brincar contribui para a aprendizagem escolar?
- Quem deve estabelecer os limites entre o brincar e o aprender?

 

2. Diagnostico da Realidade

A Escola Municipal Dr. João Ribeiro Junior, fundada em 07/03/1944 está situada na Rua Rio de Janeiro, nº 710, bairro centro. Está tem por finalidade ministrar o Ensino Fundamental e Educação Especial.

O prédio está em regular situação, não foi observadas rachaduras nem infiltrações nas paredes, a pintura da escola, está em bom estado. A escola possui uma área de 5.000 metros quadrados tendo uma área interna construída de 1.738 metros quadrados e uma área externa construída de 2.086.86 metros quadrados. Sua infra-estrutura é bem antiga, mas se encontra em ótimo estado, é um andar térreo. Tendo em vista que nossos alunos fazem parte de uma comunidade fixa, com perfil sócio-economico médio baixo, portadora de uma cultura diversificada advinda do meio em que vivem, sendo a grande maioria filhos de trabalhadores rurais, cujos pais passam a maior parte do tempo trabalhando, e necessário que proporcione uma formação de qualidade que vise às necessidades sociais, políticas, econômicas e culturas da realidade local, que garanta as aprendizagens essenciais para a formação de cidadãos autônomos, críticos e participativos, capazes de atuar com competência, dignidade e responsabilidade na sociedade em que vivem.

O estabelecimento de ensino funciona nos períodos: matutino das 7:30 às 11:30 horas e vespertino das 13:00 às 17:00 horas.

A escola oferta as 5 etapas iniciais do ensino fundamental, uma turma de ensino Especializado na área de deficiência Visual, uma turma de sala de recursos e classe especial.

A escola é composta por um total de 533 alunos, distribuídos da entre as 5 etapas: 1º,2º e 3º Ano do ensino fundamental de nove anos, e 3º e 4º séries, quanto ao pessoal administrativo à escola possui 01 diretora, 02 secretarias, 02 coordenadoras, pedagógicas, 33 professores, 08 funcionarias de serviços gerais, 01 caseiro. Fui informada que a grande maioria dos professores são graduados, e alguns pós-graduados.

Os alunos tem semanalmente aulas de ciências, educação física, inglês, historia, matemática, oficina de artes, português e religião.

È organizado de tal forma: biblioteca, refeitório, pátio coberto, banheiros específicos meninos/meninas e professores, sala de coordenação, informática, secretaria, sala de professores, sala especificas para atendimento de DV, sala de recursos e classe especial.

Possui 13 salas de aulas todas em bom estado, são bem ventiladas, as carteiras no geral, estão em regular condição de uso, os quadros-negros são grandes e também estão em bom estado de conservação.

A escola possui 3 Tv`s, 01 vídeo, 03 DVD`s, 01 xerocadora, 02 Scanner e 02 impressoras a laser, 03 mimeógrafos, 03 impressoras a tinta, 02 retro-projetores, 03 aparelhos de som e computadores.

Observando o calendário da escola pude notar a existência de semanas destinadas a debates científicos(com palestras a respeito de diversos assuntos de interesse dos alunos e professores, além da divulgação de alguns trabalhos feitos em grupo pelos próprios alunos de diversas turmas diferentes), conselhos de classe, excursões a museus e exposições de arte , entre outras atividades de âmbito cultural e informativo .

 

3. Justificativa

Vivemos uma época em que a tecnologia avança aceleradamente inclusive na educação, mas as atividades lúdicas não podem ser esquecidas no cotidiano escolar; porque a alternativa de trabalhar de maneira lúdica em sala de aula é muito atraente e educativa.

De acordo com RONCA (1989, p. 27) "O movimento lúdico, simultaneamente, torna-se fonte prazerosa de conhecimento, pois nele a criança constrói classificações, elabora seqüências lógicas, desenvolve o psicomotor e a afetividade e amplia conceitos das várias áreas da ciência".

Percebemos desse modo que brincando a criança aprende com muito mais prazer, destacando que o brinquedo, é o caminho pelo qual as crianças compreendem o mundo em que vivem e são chamadas a mudar. É a oportunidade de desenvolvimento, pois brincando a criança experimenta, descobre, inventa, exercita, vivendo assim uma experiência que enriquece sua sociabilidade e a capacidade de se tornar um ser humano criativo.

Para VIGOTSKY (1989, p.84) "As crianças formam estruturas mentais pelo uso de instrumentos e sinais. A brincadeira, a criação de situações imaginárias surge da tensão do individuo e a sociedade. O lúdico liberta a criança das amarras da realidade".

Verificamos portanto que as atividades lúdicas propiciam a criança à possibilidade de conviver com diferentes sentimentos os quais fazem parte de seu interior, a criança demonstra através da brincadeira como ela vê e constrói o mundo, como ela gostaria que ele fosse, quais as suas preocupações e que problemas a estão atormentando, ou seja ela expressa na brincadeira o que tem dificuldade de expressar com palavras.

E aliar atividades lúdicas ao processo de ensino e aprendizagem pode ser de grande valia, para o desenvolvimento do aluno, um exemplo de atividade que desperta e muito o interesse do aluno é o jogo, sobre o qual nos fala KISHIMOTO (1994, p. 13)

"O jogo como promotor da aprendizagem e do desenvolvimento, passa a ser considerado nas práticas escolares como importante aliado para o ensino, já que colocar o aluno diante de situações lúdicas como jogo pode ser uma boa estratégia para aproximá-lo dos conteúdos culturais a serem veiculados na escola".

Dessa maneira percebemos a necessidade do professor de pensar nas atividades lúdicas nos diferentes momentos de seu planejamento. Lembrando que o jogo e a brincadeira exigem partilhas, confrontos, negociações e trocas, promovendo conquistas cognitivas, emocionais e sociais.

Destacando ainda mais a importância do lúdico, lembramos as palavras de RONCA (1989, p.27)

texto

A tal ponto isso se faz verdade, que a criança sente e expressa a curiosidade e importante noção de que viver é brincar.

E ao brincar a criança conhece a si própria e aos outros e realiza a dura tarefa de compreender seus limites e possibilidades e de inserir-se em seu grupo. Aí aprende e internaliza normas sociais de comportamentos e os hábitos fixados pela cultura, pela ética e pela moral.

De acordo com o Referencial Curricular Nacional Para Educação Infantil (l998, v1.p.28) "As brincadeiras de faz-de-conta, os jogos de construção e aqueles que possuem regras, como os jogos de sociedade (também chamados de jogos de tabuleiro) jogos tradicionais, didáticos, corporais, etc., propiciam a ampliação dos conhecimentos da criança por meio da atividade lúdica".

E sobre esse ponto de vista o lúdico se torna de vital importância para a educação.

Pois de acordo com RONCA (1989,p.99) "O lúdico torna-se válido para todas as séries, porque é comum pensar na brincadeira, no jogo e na fantasia, como atividades relacionadas apenas infância. Na realidade, embora predominante neste período, não se restringe somente ao mundo infantil".

E nessa perspectiva o lúdico se torna muito importante na escola, porque pelo lúdico a criança faz ciência, pois trabalha com a imaginação e produz uma forma complexa de compreensão e reformulação de sua experiência cotidiana. Ao combinar informações e percepções da realidade problematizada, tornando-se criadora e construtora de novos conhecimentos.

Segundo o Referencial Curricular Nacional Para Educação Infantil (1998, v1.p.27) "as atividades lúdicas, através das brincadeiras favorecem a auto-estima das crianças ajudando-as a superar progressivamente suas aquisições de forma criativa".

Assim sendo entendemos que o lúdico contribui para o desenvolvimento da auto-estima o que favorece a auto-afirmação e valorização pessoal.

E ainda, as brincadeiras, o jogo, o brinquedo podem e devem ser objetos de crescimento, possibilitando à criança a exploração do mundo, descobrir-se, entender-se e posicionar-se em relação a si e a sociedade de forma lúdica e natural exercitando habilidades importantes na socialização e na conduta psicomotora.

De acordo com os PCNs de Educação Física (vol. 7. 1997, p.36) "As situações lúdicas competitivas ou não, são contextos favoráveis de aprendizagem, pois permitem o exercício de uma ampla gama de movimentos, que solicitam a atenção do aluno na tentativa de executá-la de forma satisfatória".

A partir dessas definições constatamos que o lúdico está relacionado a tudo o que possa nos dar alegria e prazer, desenvolvendo a criatividade, a imaginação e a curiosidade, desafiando a criança a buscar solução para problemas com renovada motivação.

Ressaltando que segundo NOVAES (1992, p.28) "O ensino, absorvido de maneira lúdica, passa adquirir um aspecto significativo e efetivo no curso de desenvolvimento da inteligência da criança".

Desse modo, brincando a criança vai construindo e compreendendo o mundo ao seu redor.

Lembrando que as atividades lúdicas são de grande valia para o educador que souber se utilizar apropriadamente dessas atividades sendo que o aluno será o maior beneficiado.

 

4. Fundamentação Teórica

Cabe ao educador por meio da intervenção pedagógica propiciar atividades significativas que levem a uma aprendizagem de sucesso. Para que isso aconteça é necessário que o professor reflita sua prática pedagógica percebendo o aluno mais que um mero executor de tarefa, mas alguém que sente prazer em aprender.

Ensinar exige a convicção de que a mudança é possível e que contribuirá significativamente para formação de cidadãos que atendam as demandas do século XXI.

De acordo com FREIRE (1996, p.67) "Saber que deve respeito à autonomia e identidade do educando exige de mim uma prática em tudo coerente".

Palavras que levam a refletir sobre a importância de uma prática pedagógica voltada a valorização e respeito da individualidade do aluno.

Mas a preocupação com uma educação significativa, atualizada e que respeite o aluno, não começou hoje. Podemos perceber isso claramente através das palavras de FREINET (1975,p.38) "o professor deve ter sensibilidade de atualizar a sua prática".

4.1 Aprendizagem

São muitos os fatores que diferenciam o homem dos demais animais.a concentração de uma criança

Aprendizagem é um destes fatores. Diferentemente dos outros animais, no homem a aprendizagem é vista como um sistema dinâmica de interação, pois é um processo, biológico, intelectual, emocional e social.

Nos últimos anos, muitos são os estudos sobre aprendizagem, e o não aprender, e que direta ou indiretamente procuram desvelar como o homem aprende. Não existe uma fonte única, capaz de englobar os elementos fundamentais à compreensão da aprendizagem, mas acreditam-se nas propostas que ressaltam a importância dos processos mentais superiores, sendo resultado da interação do organismo com o meio.

texto

Portanto, a aprendizagem tem um sentido amplo: abrange os hábitos que formamos, os aspectos de nossa vida efetiva e assimilação de valores culturais. Enfim, aprendizagem refere-se a aspectos funcionais e resulta de toda estimulação ambiental recebida pelo individuo no decorrer da vida. Destacamos então, a seguir, para os professores que ao elaborarem seus planos de trabalhos, seguindo as diferentes necessidades dos alunos, tenham como norte as Áreas do desenvolvimento , que são classificadas sobre os títulos: área motora, área cognitiva e área afetivo-emocional. As atividades motoras, associadas ao lúdico, possibilitam à criança desenvolver suas funções intelectuais e efetivas. Sendo o corpo em movimento, o meio de ação da criança sobre o mundo dos objetos, faz-se necessário desenvolver a consciência corporal, para através dela, a criança estar disponível para aprender.

4.2 A Importância do Jogo no Processo Ensino Aprendizagem

Aliar as atividades lúdicas ao processo de ensino aprendizagem pode ser de grande valia para o desenvolvimento do aluno, um exemplo de atividade que desperta e muito o interesse do aluno é o jogo.

texto

Os jogos não são apenas uma forma de divertimento, mas são meios que contribuem e enriquecem o desenvolvimento intelectual. Para manter o seu equilíbrio com seu mundo, a criança necessita brincar, jogar, criar e inventar.

Os jogos tornam-se mais significativos à medida que a criança se desenvolve, porque através da manipulação de materiais variados, ela poderá reinventar coisas, reconstruir objetos. Os jogos são uma ótima proposta pedagógica na sala de aula, porque proporcionam a relação entre parceiros e grupos, o que é um fator de avanço cognitivo, pois durante os jogos a criança estabelece decisões, conflitua-se com seus adversários e reexamina seus conceitos.

Depois da necessidade de afeto, de ser aceita, nenhuma outra é tão intensa, na criança, como a necessidade do jogo. Através dele desenvolvem-se a espontaneidade, a inteligência, a linguagem, a coordenação, o autocontrole, o prazer de realizar algo, a autoconfiança. É a via para a criança experimentar, organizar suas experiências, estruturar a inteligência para construir, aos poucos, a sua personalidade.

O jogo para criança é, antes de tudo, uma brincadeira. Mas é, também, uma atividade séria onde o faz-de-conta, as estruturas ilusórias, o geometrismo infantil e a alegria têm uma importância considerável. O surgimento do verdadeiro comportamento lúdico está ligado ao despertar da personalidade. A busca da auto-afirmação manifesta-se nos jogos sob duas formas: o apelo do mais velho, considerado como motor essencial da infância, e o amor à ordem, à regra, levado até ao formalismo.

Durante os jogos, a criança experimenta um sentimento de grande prazer ante o descobrimento do novo e suas possibilidades de invenção. Os jogos passam a ter significados positivos e de grande utilidade quando o professor proporciona um trabalho coletivo, de cooperação, de comunicação e socialização.

Os jogos em grupo são uma forma de atividade muito indicada para estimular a atividade construtivista da criança e a sua vida social.

Os professores precisam pensar os jogos, ajudando as crianças melhor escolhê-los, modificá-los e mesmo inventar novos jogos. É importante também durante o jogo a intenção social da criança entre seus colegas para poder construir sua lógica, seus valores sociais e morais.

As crianças aprendem com mais facilidade através de jogos em grupos do que em muitas lições e folhas mimeografadas.

A competição no jogo é um ponto importante, porque estimula na criança o desejo de cada vez melhorar mais e por conseguinte conseguir a vitória através de seus conhecimentos e habilidades.

Os jogos em grupos exigem identificação do aluno com o grupo, geram direitos e deveres, ensinado-o a conviver e a participar mantendo sua individualidade.

É importante também que durante os jogos as crianças tenham oportunidade de construir suas próprias regras.

Segundo Piaget (1978, p. 29) "os jogos de regras são: atividade lúdica do ser socializado". Ou seja, através dos jogos de regras, a criança assimila a necessidade de cumprimento das leis da sociedade e das leis morais.

De acordo com VYGOTSKY (1991, p. 122):

texto

Nos estudos de Vygotsky ele afirmou que não existem brincadeiras sem regras, partindo do princípio de que os pequenos se envolvem nas atividades de faz-de-conta para entender o mundo em que vive. Para isso, usam a imaginação. Quando finge que está dirigindo um carro, a criança procura seguir regras de conduta social e de convivência. É uma forma de expandir sua compreensão sobre o mundo.

Enfim, através da brincadeira e do jogo, a criança aprende a lidar com o mundo, formando sua personalidade, vivenciando sentimentos como amor e medo. No jogo a criança se coloca em movimento num universo simbólico, projetando-se no mundo ao seu redor. Os jogos favorecem a alta expressão, desenvolvem a capacidade física, favorecem a aprendizagem, oferecem atividades físicas prazerosas.

4.3 O Lúdico como Facilitador da Aprendizagem.

O brincar é vital para o desenvolvimento do corpo e da mente. Nele se reconhece um meio de proporcionar educação integral, em situações naturais de aprendizagem que geram forte interesse em aprender e garantem prazer.

O lúdico viabiliza a construção do conhecimento de forma interessante e prazerosa, garantindo nas crianças a motivação intrínseca necessária para uma boa aprendizagem, até convertê-las em adultos maduros, com grande imaginação e autoconfiança, mesmos aqueles que apresentam alguma dificuldade na sua aprendizagem ou na aquisição do conhecimento.

Damos ênfase às metodologias que se alicerçam no “brincar”, no facilitar as coisas do aprender através do jogo, da brincadeira, da fantasia, do encantamento. A arte-magia do ensinar-aprender ( ROJAS,1997), permite que o outro construa por meio da alegria e do prazer de querer fazer.

O jogo e a brincadeira estão presente em todos as fazes da vida dos seres humanos, tornando especial a sua existência. De alguma forma o lúdico se faz presente e acrescenta um ingrediente indispensável no relacionamento entre as pessoas, possibilitando que a criatividade aflore.

Defendemos nesse estudo uma metodologia em que o brincar é a ludicidade do aprender. A criança aprende enquanto brinca. Fazem parte dessa pesquisa três momentos que alicerçam o interdisciplinar dos sujeitos envolvidos: o faz-de-conta , que é o momento de ênfase à imaginação vivenciando idéias por meio da literatura infantil. Dramatizar, contar, viver e elaborar historias criando seu próprio espaço-ludico por meio de livro de pano. No momento dois, damos ênfase ao brinquedo, do brincar com outras pessoas e, do brincar em grupo. No brincar com outras pessoas a criança aprende a viver socialmente, respeitando regras, cumprindo normas, esperando sua vez e interagindo de uma forma mais organizada. No grupo, aprende a partilhar e a fazer um movimento rotativo tão importante para a socialização e o dialogo. No terceiro momento evidenciamos o brincar, o jogar e o aprender no movimento multi-inter-dimensional: informação conceitual, comunicação, troca e parceria, interface teórico prática.

Brincar é tão importante quando estudar, ajuda a esquecer momentos difícies , quando brincamos, conseguimos-sem muito esforço encontrar respostas a varias indagações, podemos sanar dificuldades de aprendizagem, bem como interagirmos com nossos semelhantes.

Além de muitas importâncias o brincar, desenvolve os músculos, a mente, a sociabilidade, a coordenação motora e além de tudo deixa qualquer criança feliz.

Quando brincamos exercitamos nossas potencialidades, provocamos o funcionamento do pensamento, adquirimos conhecimento sem estresse ou medo, desenvolvemos a sociabilidade, cultivamos a sensibilidade, nos desenvolvemos intelectualmente, socialmente e emocionalmente.

Toda criança que brinca vive uma infância feliz, além de tornar-se um adulto muito mais equilibrado física e emocionalmente, conseguirá superar com mais facilidade, problemas que possam surgir no seu dia-a-dia.

O brincar é a tarefa do dia-a-dia que nem os pais nem os professores conseguem transmitir.

A criança é curiosa e imaginativa, está sempre experimentando o mundo e precisa explorar todas as suas possibilidades. Ela adquire experiência brincando. Participar de brincadeiras é uma excelente oportunidade para que a criança viva experiências que irão ajudá-las a amadurecer emocionalmente e aprender uma forma de convivência mais rica.

Por meio da brincadeira a criança envolve-se no jogo e sente a necessidade de partilhar com o outro. Ainda que em postura de adversário, a parceria é um estabelecimento de relação. Esta relação expõe as potencialidades dos participantes, afeta as emoções e põe à prova as aptidões testando limites.

Brincando e jogando a criança terá oportunidade de desenvolver capacidades indispensáveis a sua futura atuação profissional, tais como atenção, afetividade, o habito de permanecer concentrado e outras habilidades perceptuais psicomotoras. Brincando a criança torna-se operativa.

A formação lúdica possibilita ao educador conhecer-se como pessoa, saber de suas possibilidades, desbloquear resistências e ter uma visão clara sobre a importância do jogo e do brinquedo para a vida da criança, do jovem e do adulto ( SANTOS,1997; KISHIMOTO,1999). Onde brincar é um aspecto fundamental para se chegar ao desenvolvimento integral da criança.

4.4 O Brinquedo como Instrumento de Aprendizagem

O brinquedo é a essência da infância e seu uso permite um trabalho pedagógico que possibilita a produção do conhecimento e também a estimulação da afetividade na criança. A criança estabelece com o brinquedo uma relação natural e consegue extravasar suas angustias e paixões, suas alegrias e tristezas, suas agressividades e passividades.

O brinquedo supõe uma relação íntima com o sujeito, uma indeterminação quanto ao uso, ausência de regras. O jogo pode ser visto como um sistema lingüístico que funciona dentro de um contexto social, um sistema de regras, um objeto (KISHIMOTO,1999).

Independente de época, cultura e classe social, os jogos e os brinquedos fazem parte da vida criança, pois elas vivem num mundo de fantasia, de encantamento, de alegria, se sonhos, onde realidade e faz-de-conta se confundem ( KISHIMOTO ,1999). O jogo está na gênese do pensamento, da descoberta de si mesmo, da possibilidade de experimentar, de criar e de transformar o mundo.

Por sua vez, a função educativa do jogo oportuniza a aprendizagem do individuo, seu saber, seu conhecimento e sua compreensão de mundo.

Segundo Kishimoto(1994), o brinquedo “é entendido como objeto, suporte da brincadeira”.

Vygostsky ( 1984), dia que o “ brinquedo tem um papel importante, aquele de preencher uma atividade básica da criança, ou seja, ele é motivo de ação.”

Através do brinquedo a criança instiga a sua imaginação, adquire sociabilidade, experimenta novas sensações, começa a conhecer o mundo, trava desafios e busca satisfazer sua curiosidade de tudo conhecer.

Para Wallon (1979, p. 45) "a criança aprende muito ao brincar. O que aparentemente ela faz apenas para distrair-se ou gastar energia é na realidade uma importante ferramenta para o seu desenvolvimento cognitivo, emocional, social, psicológico".

De acordo com Oliveira (1995, p. 36) "no brinquedo a criança comporta-se de forma mais avançada do que nas atividades na vida real e também aprende; objeto e significado".

Os brinquedos são parceiros silenciosos que desafiam as crianças, eles permitem que as crianças conheçam com mais clareza importantes funções mentais como o desenvolvimento do raciocínio abstrato e dá linguagem, sendo assim, um instrumento importantíssimo que auxiliam para a aprendizagem e a construção do conhecimento.

O brinquedo não é apenas um objeto que as crianças usam para se divertirem e ocuparem o seu tempo, mas é um objeto capaz de ensiná-las e torná-las felizes ao mesmo tempo.

O brinquedo como suporte da brincadeira tem papel estimulante para a criança no momento da ação lúdica. Tanto brinquedo, quanto à brincadeira, permitem a exploração do seu potencial criativo de numa seqüência de ações libertas e naturais em que a imaginação se apresenta como atração principal. Por meio do brinquedo a criança reinventa o mundo e libera suas atividades e fantasias.

Através da magia do faz-de-conta explora os limites e, parte para aventura que a leva ao encontro do outro-eu.

A entrada da criança no mundo do faz-de-conta marca uma nova fase de sua capacidade de lidar com a realidade, com os simbólicos e com as representações. Com o brinquedo a criança satisfaz certas curiosidades e traduz o mundo dos adultos para a dimensão de suas possibilidades e necessidades.

Frente a estas reflexões podemos afirmar que o processo de construção do aprendizagem será efetivado mediante a participação da criança no brincar. O prazer, não é suficiente para justificar a importância do brincar. Possui porém um papem relevante justamente com outros fatores, uma vez que leva a criança a ter iniciativa. A criança é incapaz de separar a principio, a realidade da fantasia, o brincar para a criança e muito séria.

Devemos conhecer de fato esse instrumento ( brinquedo) para compreendermos seu real valor na vida criança. Se, como educadores e pais, desconhecemos as necessidades das crianças e os incentivos capazes de levá-las a atuar, estaremos prejudicando seu processo de desenvolvimento.

O brinquedo é a riqueza do imaginário infantil, através ele a criança libera seus sentidos, em todas as ocasiões, fazendo assim com que a criança tenha mais segurança no aprender, algo, onde o brinquedo e sem duvida um instrumento capaz de ajudar a criança a se desenvolver, intelectual, socialmente e cognitivamente.

4.5 O Brinquedo e sua Função Educacional

O brinquedo desempenha muitas funções, tais como: o pensamento criativo, o desenvolvimento social e emocional.

Winnicott(1995), aponta aspectos relevantes à função do brinquedo:

1-As crianças tem prazer ( físico e emocional) em todas as experiências de brincadeiras;
2-A aprecia concluir que seus impulsos coléricos ou agressivos podem ser expressos sem retorno do ódio e da violência do meio para com ela;
3-As crianças brincam de dominar angustias, controlar idéias ou impulsos que conduzem a angustias se não forem dominadas.
4-A personalidade infantil evolui através de suas próprias brincadeiras e das invenções de brincadeiras feitas por outras crianças e adultos;
5-O lúdico fornece uma organização para iniciação de relações emocionais, propiciando o desenvolvimento de contatos sociais;
6-A brincadeira, o uso de formas e artes e praticas religiosas tendem, por métodos diversos, mas aliados, à unificação e integração geral da personalidade;

Para a criança o brinquedo significa um pedaço do mundo que ela já conhece, e o resto do mundo ela ainda vai explorar, conhecer. É muito interessante observar crianças brincando, temos condições de melhor conhecê-las e entendê-las.

O brinquedo como função:

•Aumentar a integração com outras crianças;
•Exercitar a imaginação e a criatividade;
•Estimular a sensibilidade visual e auditiva;
•Desenvolver a coordenação motora;
•Aumentar a independência;
•Diminuir a agressividade;
•Ajudar a resgatar a cultura.

Portanto, através do brinquedo, manipulado em diversas situações educacionais podem ser um meio para estimular, analisar e avaliar a aprendizagens especificas, competências e potencialidades das crianças envolvidas, estimulando seu processo de ensino-aprendizagem em diferentes meios e estratégias, fazendo assim um trabalho onde a criança tenha mais estímulos e motivação para seu desenvolvimento acadêmico e social.

 

5. Objetivos e Metas

5.1 Objetivo Geral

Partindo do pressuposto que ao brincar, as crianças criam, recriam, e repensam os acontecimentos que lhes deram origem, é importante que se ofereça oportunidades diversas mais voltadas às brincadeiras ou às aprendizagens.

Portanto, nosso objetivo é analisar ou verificar a importância do jogo e do lúdico no processo ensino-aprendizagem, como também verificar se os profissionais da educação conseguem aliar atividades lúdicas ao conteúdo disciplinar. Assim subsidiar teoricamente o professor e a família para que possa por meio de uma intervenção direta contribuir no seu cotidiano, e contribuir meios para facilitar a articulação entre a imaginação e a imitação da realidade.

5.2 Objetivos Específicos

•Proporcionar o desenvolvimento das estruturas cognitivas, a construção da personalidade, o intercâmbio do cognitivo e do afetivo, o avanço nas relações interpessoais, o conhecimento lógico-matemático, a representação do mundo e o desenvolvimento da linguagem.
•Contribuir para a formação da auto-estima das crianças, auxiliando-as a superar suas aquisições de forma criativa;
•Contribuir para a interiorização de determinados modelos de adulto, no âmbito de grupos sociais diversos;
•Oportunizar aos educandos situações que levem a livre expressão de pensamentos, gestos, sentimentos, através de atividades diversificadas aliadas ao lúdico.

5.3 Metas

•Enfatizar a importância do educador infantil estar sempre munido com diversificado catálogos de jogos, organizando seu emprego seguindo critérios definidos no planejamento pedagógico.
•Orientar quanto o papel e importância do brincar como função educacional de harmonização das atividades escolares;
•Favorecer a integração entre os alunos durante o trabalho em grupo;
•Levar as crianças a perceberem o ambiente que as cerca com olhar de fantasia proporcionando um ambiente criativo e agradável através de histórias;
•Auxiliar a criança a construir sua historicidade, seu pensamento lógico, ampliar suas linguagens, pensar, liberta-se de estereótipos, fazer amigos, desenvolver a capacidade de associação e aprimorar seu domínio motor.

 

6. Estratégias e Técnicas

Este trabalho envolveu o desenvolvimento de pesquisas bibliográficas, assim como pesquisa de campo realizada na Escola Municipal Doutor João Ribeiro Junior da cidade de Uraí-Paraná, envolvendo alunos, professores e pais, para que assim pudesse verificar as dificuldades e avanços destas crianças dentro e fora do contexto escolar, com fundamentação teórica.

Para realizar este trabalho de cunho teórico, acerca da construção de conhecimento, como principio educativo, resolvemos lançar mão de uma pesquisa prática, utilizando uma abordagem qualitativa descritiva, pois este tem como objetivo identificar a importância do lúdico no processo ensino-aprendizagem, dando enfoque ao valor ensino aprendizagem atribuído por educadores em suas práticas educativas.

Está escola possui salas de especialização e também de recursos, atendendo alunos com dificuldades na aprendizagem, onde a professora juntamente com a equipe pedagógica desenvolve métodos para que a aprendizagem seja cada vez mais eficaz, utilizando assim estratégias variadas para o desenvolvimento de seus alunos.

Através da pesquisa bibliográfica no contexto deste trabalho e da realização da pesquisa de campo, direciona-se o ponto de vista que o jogo e o lúdico é de um grande recurso e uma das estratégias que com o trabalho bem feito e sua exploração o desenvolvimento da aprendizagem desses alunos poderá ser de grande valia, utilizando o jogo e o lúdico no processo ensino-aprendizagem de cada aluno.

A pesquisa envolve alunos de diferentes idades da Escola Municipal Dr°. João Ribeiro Junior da cidade de Uraí-Paraná, pais, professores responsáveis pela alfabetização destas crianças, na respectiva escola.

Utilizou-se questionários (anexos), as perguntas foram claras e objetivas.

6.1 Discussão dos Resultados Obtidos

A pesquisa envolveu a questão do Jogo e o Lúdico no processo ensino-aprendizagem, pois é através da ação de brincar que a criança constrói um espaço de experimentação. Nas atividade lúdicas, esta, aprende a lidar com o mundo real, desenvolvendo suas potencialidades, incorporando valores, conceitos e conteúdos.

A presente pesquisa está classificada como descritiva, uma vez que os resultados foram retirados com base nas entrevista e coletas de informações por meio de questionários, com quatro questões fechadas em cada uma.

A partir dos resultados obtidos foram traçados paralelos qualificativos dos resultados, acerca de metodologias utilizadas, recursos pedagógicos implementados, instalações físicas e clientela.

Abordando a importância do jogo e do lúdico no processo ensino-aprendizagem, as inferências que o jogo e o lúdico proporciona aos alunos, metodologias, recursos e instalações necessárias para estimulação das crianças no processo ensino-aprendizagem.

Segundo kishimoto, “ a concepção de brincar, como forma de desenvolver a autonomia e a criatividade das crianças requer o uso de brinquedos e materiais que permita a expressão dos projetos criados pela crianças”.

Assim o brincar pode ser um elemento importante através do qual se aprende, sendo sujeito ativo desta aprendizagem, que tem na ludicidade o prazer de aprender.

Onde o lúdico deve ser o parceiro do professor.

Nesta tabela encontra o questionário aplicada as crianças.

 

Tabela 1 – fatores abordados no questionário para o aluno

tabela

A tabela acima demonstra os resultados obtidos através de entrevista com os alunos da Escola Municipal Dr. João Ribeiro Junior, de Uraí-Paraná. Os alunos não encontraram dificuldades para responder ao questionário, pois as mesmas gostaram em responder sobre suas brincadeiras preferidas e a escola.

Eles demonstraram interesses em brincar de maneira diferente em sala de aula, utilizando o jogo no processo de ensino-aprendizagem. Independente do tipo de vida que se leve, adultos, jovens e crianças, todos precisam da brincadeiras e de algumas forma do jogo, sonho e fantasia para viver. Segundo Maluf (2003) “ a capacidade de brincar abre para todos uma possibilidade de decifrar os enigmas que os rodeiam”. O brincar pode ser um elemento importante através do qual se aprende, sendo sujeito ativo desta aprendizagem que tem na ludicidade o prazer de aprender.

 

Tabela 2 – Fatores abordados no questionário direcionado para os pais dos alunos.

figura

A tabela acima demostra os resultados obtidos no questionário destinados aos pais dos alunos, onde suas opiniões dão ênfase na questão em trabalhar com o jogo e o lúdico na escola e incentiva seus filhos a brincar, pois acham importantes para o desenvolvimento dos mesmos, pois acreditam que brincadeiras podem estimular seus filhos no processo de aprendizagem. Segundo os Referenciais Curriculares Nacionais para a Educação Infantil (RCNE) estabelece que na brincadeira as crianças assumem diferentes papéis por meio da imitação, o que definiria as principais características desse tipo de ação lúdica. “O brincar contribui, assim para a interiorização de determinados modelos de adultos, no âmbito de grupos sociais diversos” ( BRASIL, 1997,p.28).

 

Tabela 3 – Fatores abordados para os professores referente ao jogo e o lúdico no processo ensino-aprendizagem.

tabela

Esta pesquisa envolveu os professores de toda escola, onde apontam a importância dos jogos e do lúdico para o desenvolvimento e aprendizagem dos alunos.

As respostas foram satisfatórias, os professores, embora nem todos utilizam jogos em suas aulas, consideram importantes o trabalho com os mesmos para o desenvolvimento e aprendizagem dos alunos, consideram o lúdico muito importante, pois permite perceber as dificuldades de cada um e superá-las, o lúdico desenvolve o afetivo, o cognitivo, social, moral, motor e possibilita aprendizagem de conceitos.

Esta pesquisa envolveu alunos, professores e pais, onde demonstrou que o jogo e o lúdico em sala de aula podem e devem ser trabalhado em todas as atividades, pois é uma maneira de aprender/ensinar que desperta prazer e assim a aprendizagem realiza. As palavras de Fernández ( 2001) apontam que:

tabela

Por tanto, ficou claro que o jogo não é simplesmente um passatempo para distrair os alunos, ao contrario, corresponde a uma profunda exigência do organismo e ocupa lugar de extraordinária na educação escolar. O jogo e o lúdico é essencial para que a criança manifeste sua criatividade, utilizando suas potencialidades de maneira integral.

Este estudo é uma pesquisa de revisão bibliográfica, observação e estudo de campo, considerando a determinação dos objetivos para a realização da pesquisa; a leitura seletiva, buscando textos que contribuem para a solução do problema proposto; a leitura analítica que é feita a partir dos textos selecionados com objetivo de ordenar e sumariar as informações contidas nas fontes.

 

7. Recursos

7.1 Recursos Humanos

tabela

7.2 Recursos Materiais

tabela

Total..............................R$31,00

 

8.Cronograma

tabela

 

9. Avaliação

Avaliação do projeto será continua durante a realização do projeto bem como a realização das atividades do mesmo considerando participação interesse e envolvimento com o tema trabalhado, visando assim um enriquecimento qualitativo nos conteúdos trabalhados.

A avaliação irá se dar num processo contínuo, visando à mudança de atitudes no comportamento do nosso educando e da comunidade através de atividades propostas.

O processo educativo deve sempre estar sempre crescente na escola. Acreditando no pleno crescimento do aluno e considerando que o mesmo não desaprenda o que já foi apropriado e nem suprime o que já foi ensinado, adotamos os seguintes critérios para acompanharmos o crescimento do aluno no decorrer do ano.

 

Referências

ANAIS – Congresso Nacional das APAES, JUNHO 2001.

ALMEIDA, A. Ludicidade como instrumento pedagógico. Disponível em: http://www.cdof.com.br/recrea22.htm.Acesso no dia 02 de mar. de 2009.

ALMEIDA, M.T.P. Jogos divertidos e brinquedos criativos. Petrópolis: Vozes, 2004.

BERTOLDO, J.V; RUSCHEL, M. A. M. Jogo, brinquedo e brincadeira – Uma Revisão Conceitual. Disponível em: http://www.ufsm.br/gepeis/jogo.htm. Acesso no dia 02 de mar. de 2009.

BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL03/leis/L9394.htm. Acesso no dia 02 de mar de 2009.

BRASIL MEC. SEF Parâmetros Curriculares Nacionais: Arte – Brasília: MEC 1997. v.6.

FERNANDEZ, A. O saber em jogo: a psicopedagogia propiciando autoras de pensamento. Porto Alegre: artes Médicas,2001.

KISHIMOTO, T.M. Jogo, Brinquedo e a Educação. 6º ed. São Paulo: Cortez,1994.
______________. O Jogo e a Educação Infantil. São Paulo: Pioneira, 1994.

______________. O jogo na educação infantil. São Paulo: Pioneira,1990.

MALUF, Â.C.M. Brincar: prazer e aprendizado. Petrópolis, RJ: Vozes,2003.

MURCIA, J.A.M. e seus colaboradores./ Aprendizagem através dos jogos. Porto alegre: Artmed,2005.

NOVAES, J. C. Brincando de Roda. Rio de Janeiro: Agir, 1992, p. 28.

OLIVEIRA, V. B. O Brincar e a Criança. Petrópolis: Vozes, 1996.

PIAGET,J. A formação do símbolo na criança: imitação, jogo,imagem e representação. Rio de Janeiro: Zahar,1976.

PIAGET, Jean. A Formação do Símbolo na Criança: imitação, jogo e sonho. Rio de Janeiro: Zanar, 1978.

RAU,M,C,T,D. O lúdico na pratica pedagógica do professor de educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental: concepções e práticas, Curitiba,Ibpex,2006.

____________. A ludicidade na educação: uma atitude pedagógica. Curitiba: ibpex,2007.

RONCA, P. A. C. A aula operatória e a construção do conhecimento. São Paulo: Edisplan, 1989.

WALLON, Henri. Do Ato ao Pensamento. Lisboa: Morais, 1979.

VYGOTSKY, L.S. A formação social da mente. São Paulo: Fontes, 1987.

___________. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

___________. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 4ª ed., 1991.

WINNICOTT, D. W. O brincar e a realidade, Imago, Rio de Janeiro, 1975.

 

 

Comentários