Amigo Nerd.net

Condensação e Deslocamento

Autor:
Instituição: Universidade Federal Fluminense
Tema: Psicanálise

Condensação e Deslocamento

A Interpretação dos Sonhos

Freud


Niterói, 2002

Durante algum tempo, houve apenas uma preocupação com o conteúdo manifesto dos sonhos, aquilo que era lembrado e podia ser relatado, para se entender os sonhos.

Freud, no entanto começa a se preocupar com o conteúdo latente, que é de onde se depreende o verdadeiro sentido do sonho, pois o sonho disfarça o conteúdo latente para poder se expressar.

O sonho é uma elaboração psíquica e toma seu material de assuntos que ficam em suspenso, tensões e também de fatos de qualquer época da sua vida, mas sempre trazem relações com acontecimentos do dia anterior (restos diurnos), não que estes sejam necessariamente o mais importante do sonho.

O conteúdo latente, que são os pensamentos oníricos, vem condensado. O material dos pensamentos oníricos entram em condensação no decorrer da elaboração onírica. Entretanto, estes não são suficientes para a condensação, então são criados novos elementos, artificiais e transitórios, na elaboração onírica. Esses elementos recém-criados, comuns de condensação entram, então, no conteúdo manifesto do sonho como parte dos pensamentos oníricos. A condensação origina-se por omissão, pois apenas uma pequena minoria dos pensamentos oníricos revelados aparecem nos sonhos.

Podemos reconhecer a condensação pelo fato dos sonhos serem curtos se comparados com a extensão dos pensamentos oníricos. E estes pensamentos vão sendo revelados quando registrados em análise, onde se consegue perceber uma série de associações, uma cadeia de idéias que já estavam conectadas de alguma forma nos pensamentos dos sonhos. Entretanto, da análise de um único sonho podemos chegar a várias interpretações. A grande maioria dos pensamentos que são revelados na análise, já estavam ativos na formação do sonho. O sonho não é construído por um único pensamento onírico, ou por um grupo de pensamentos, o que ocorre é um processo manipulativo, onde os pensamentos que obtiverem como suporte os elementos mais fortes e numerosos entram no conteúdo onírico.

Exemplo de sonho: Monografia Botânica

Freud sonha que havia escrito uma monografia sobre um gênero indeterminado de plantas. O livro encontra-se diante dele, e naquele momento ele virava uma lâmina colorida dobrada.

Em determinada análise do sonho Freud percebe que este tinha uma ligação com as impressões do dia do sonho, ele havia visto uma monografia sobre o gênero Ciclame numa livraria. Revelou que a monografia botânica tinha uma ligação com o trabalho sobre cocaína que ele havia escrito, e com certos acontecimentos num laboratório e com um amigo, que tivera participação no trabalho sobre a cocaína, com as conversas que tivera com estes na noite anterior.

Os elementos "monografia" e "botânica" insinuaram-se como conteúdo desse sonho porque possuíam muitos contatos com os pensamentos oníricos, logo constituíam os pontos nodais sobre os quais convergiam numerosos pensamentos oníricos e possuíam diversos significados referentes à interpretação dos sonhos. Esse fato pode ser explicado de outra maneira, cada elementos do conteúdo do sonho terá sido sobredeterminado, o que "designa o fato de um elemento do conteúdo manifesto relacionar-se com vários pensamentos latentes no sonho. A sobredeterminação tem como corolários, a pluralidade de significações do elemento sobredeterminado, e por isso do conjunto do sonho. E também, a necessidade, para a interpretação, de não se ater à primeira significação que apareça." (Dicionário de Psicologia, Roland Doron & Françoise Parot, 1998)

As noções de sobredeterminação e condensação estão estreitamente ligadas. Condensação é um processo pelo qual duas ou mais imagens se combinam formando uma imagem composta ou coletiva, que é investida de significado e energia psíquicas derivadas de ambas, há uma transferência de um grupo de idéias para uma idéia só. Como por exemplo, o sonho da Injeção de Irma de Freud, onde ele combina traços semelhantes de feições de seu tio de barba amarela com as do Dr. R., omitindo certos traços de cada um deles.

Na condensação, que ocorre na elaboração onírica, pode-se fazer uma analogia com a técnica de chistes, que da mesma maneira, leva à abreviação, e formula "substitutos da mesma natureza".

"A técnica do chiste pode ser descrita como uma 'condensação acompanhada pela formação de um substituto'; e no exemplo em pauta, a formação do substituto consiste na produção de uma 'palavra composta'. Essa palavra composta 'famillionär', que é em si mesma, incompreensível, mas imediatamente compreendida em seu contexto e reconhecida como plena de sentido, é o veículo do efeito compelidor-do-riso no chiste." (O Chiste e Suas Relações Com o Inconsciente, Freud). Pode-se citar como exemplo, o sonho de Freud da Injeção de Irma, em que apareceu a palavra propilo, quando, por meio de análise, ele descobriu que na verdade estava contido nos seus pensamentos oníricos a palavra amilo. Segundo Freud, nesse sonho houve um deslocamento que serviu às finalidades de condensação.

Por deslocamento, pode-se entender, que "é um mecanismo de defesa pelo qual a energia de uma representação pode desprender-se dela para passar a outras representações ligadas à primeira por uma cadeia associativa." (Dicionário de Psicologia, Roland Doron & Françoise Parot, 1998)

O deslocamento é demonstrado pelo fato de pensamentos oníricos de pequena importância ocuparem uma posição central aparecendo com grande intensidade no sonho, e vice-versa. Segundo Freud, o deslocamento deve se originar no material onírico enquanto este ainda encontra-se como processo inconsciente. O deslocamento de energia psíquica dentro do material onírico tem a tarefa de superar a inibição da censura do pensamento consciente. Quando o deslocamento é encontrado na técnica dos chistes podemos supor que também havia na formação dos chistes uma força inibitória.

Os principais componentes do conteúdo manifesto não desempenham o mesmo papel nos pensamentos oníricos. O que é a essência dos pensamentos oníricos não tem que ser apresentado absolutamente no sonho. Este apresenta diferentes elementos como seu ponto central. Como por exemplo no sonho da Monografia Botânica, onde o ponto central era "botânica" mas os pensamentos oníricos relacionados eram as complicações e conflitos que surgem entre colegas, de obrigações profissionais e a acusação de que Freud se sacrificava em benefício de seus passatempos prediletos. Nesse caso, o elemento "botânica" não ocupava o núcleo dos pensamentos oníricos. Esse sonho mostra como atua o deslocamento, o que aparece no sonho não é o que há de mais importante nos pensamentos, mas o que ocorre neles repetidas vezes.

"A consequência do deslocamento é que o conteúdo do sonho não mais se assemelha ao núcleo dos pensamentos do sonho, e que este não apresenta mais que uma deformação do desejo do sonho que existe no inconsciente." (A Interpretação dos Sonhos)

Comentários


Páginas relacionadas